O MacGuffin: Da soberania

segunda-feira, novembro 26, 2012

Da soberania

Vasco Pulido Valente, Público 25/11/2012

A pérfida Albion 
"Eduardo Lourenço é com certeza em Portugal inteiro o intelectual mais francês. Não admira que perante a desagregação da "Europa" sofra hoje com a relativa imunidade da Inglaterra, coisa que não ocorreria à nossa atávica e resignada miséria. Mas que resolva ressuscitar o mito da "pérfida Albion", embora na sua prosa majestática, só se explica pela manifesta decadência da sua pátria de eleição. Eduardo Lourenço descobriu agora que o fracasso da União - que se tornou um "monstro", um "Frankenstein" em que muitos países não se reconhecem - foi o resultado de um "desígnio no seu género messiânico" da Inglaterra; e que, enquanto ela tiver "força e poder financeiro", "nada que se pareça" com o "sonho" de Jean Monet verá a luz do dia. Era este também, segundo parece, o "voto" da sra. Thatcher. 
Thatcher ou não, Eduardo Lourenço fala da Inglaterra que realmente existe como se ela continuasse a ser a Inglaterra de Palmerston e da rainha Vitória e o Império Britânico (uma criação tardia de Disraeli) continuasse a dominar o mundo como o Império Romano que ela, em teoria, aspirava a imitar. Pior ainda, para Eduardo Lourenço, a derrota de Waterloo acabou com a rivalidade da França, a derrota de Hitler (e de Guilherme II, que ele por boas razões não lembra) acabou com a rivalidade da Alemanha, e a implosão da URSS com a da Rússia, e a Inglaterra ficou sozinha em campo, livre de exercer a sua maléfica influência. Uma influência que se exerceu à partida através da BBC e depois do cinema americano e de uma historiografia moderna, que é "essencialmente de matriz anglo-saxónica" e "expressão da sua vontade de poder". 
Se por acaso compreendi alguma coisa da prédica confusa e, em parte, errada e arbitrária de Eduardo Lourenço, ele detesta a distância "fria" cada vez maior que a Inglaterra estabelece (e, de resto, sempre estabeleceu) entre si própria e a "Europa". Mas não há qualquer dúvida que ele não percebe a origem e a necessidade dessa distância. Não se trata, como ele julga, de uma nostalgia do Império ou sequer do exercício de uma hegemonia actual. Do que se trata, mais modestamente, é da relutância em abdicar da soberania inglesa a favor de uma burocracia não-eleita e de um bando de políticos, que nada representam. A soberania absoluta do Parlamento é o princípio constitutivo da nação (um ponto que nenhum francês será jamais capaz de meter na cabeça) e o menor abandono, a menor cedência põe em risco a sociedade e o Estado. A "Europa", em que a democracia nasceu ontem, não se importa, por exemplo, de abandonar a sua moeda a estranhos. A Inglaterra não consentiu, ou consentiria, essa vergonhosa demissão de uma autoridade crucial sobre o seu destino. E, se outros consentiram, que paguem em silêncio o "Frankenstein", que tão pressurosamente criaram."

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.