O MacGuffin: Fevereiro 2011

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Fosga-se

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

The Dude abides obliges

Relembrar Oakeshott

Artigo de Andrew Sullivan sobre Michael Oakeshott:

Taking the world as it is

"I met him only once. He lived at the end of his days in a tiny slate cottage near Langton Matravers on the Dorset coast. On a damp November day, he came to greet me at the gate to his small garden, made me a small lunch of cold meat, and then sat me down in front of a coal fire to talk. I was in awe; he seemed thrilled to have a Harvard doctoral student examining every word he had ever published. And at the time, in November 1989, his delight was understandable. Mine was only the second doctoral dissertation written about him, after he had spent six decades producing some of the finest philosophical writing of the 20th century. His writing had been marginalised by the academic establishment, relentlessly pummelled by the left, and ignored by most of those in the middle because he was always described as a ‘conservative political philosopher’, about as repellent a soubriquet as one could come up with in the upper regions of Anglo-American political science. John Rawls? A demigod. Michael Oakeshott? Who?

Two decades later, after the publication of whole swathes of previously private work, Oakeshott, who died 20 years ago this month, is widely considered an intellectual force. Dozens of dissertations, collected essays, posthumous publications and even a regular conference on his work have made Oakeshott studies the kind of hot topic Oakeshott would have been utterly immune to. He was and is sui generis. Many have tried to place him in the canon of 20th-century thought, and many have failed. Each label attached fell away, to reveal the mischievous, deeply learned, funny, profound, impenetrable and elegant genius beneath.

He had no teaching, although he was an intoxicating teacher, according to those lucky enough to have studied alongside him. His voice was of an arch English type — and yet he wrote as a continental European, as intoxicated by the work of Hegel and Montaigne as by that of Hobbes and Halifax. Although in many ways he was the most potent ‘conservative’ voice in a liberal era, he couldn’t and shouldn’t be reduced to this. He was a philosopher, full stop. And as a philosopher, there were no conservative constraints on what he would try to decipher. In his philosophical work, he was actually quite radical. He gave us one of the most complete and original accounts of history as a discipline — pushing against all those who wanted to reduce the pattern of human events to an ideology or even something as basic as ‘causality’. For Oakeshott, history was merely one utterly contingent event after another, compiling a narrative so devoid of system, so saturated with pure circumstance, that he compared it to a stone wall in the countryside — no fixed shapes of stone, no mortar, no straight lines, and no particular direction.

He crafted an equally pure theory of aesthetics in one of the most perfectly titled essays I’ve ever read, ‘The Voice of Poetry in the Conversation of Mankind’. Everything is true, he seemed to say, as long as nothing is ever taken to be more than it is. What mattered to his mind’s penetrating eye was understanding something, whatever it was, without preconceptions, judging it on its own terms rather than seeking to conform it to some other standard (such as ‘nature’ or ‘divine truth’). In this, he followed the tradition of English Idealism — which he maintained, with ever-growing scepticism about philosophy’s ambitions, throughout his life.

He was a conservative in one simple sense. He did not believe that the practical world could be understood by the rational mind alone. He was thus a fierce critic of central planning, of the ability of a government to solve the problems people could not solve themselves. He saw the hideous, self-defeating paradox of trying to change the everyday world from a distance based on a theory. In his time — the high noon of liberal managerialism, when social scientists believed that poverty and crime and even war could be mastered by the right architecture or welfare policies or educational programmes or the UN — this was more radical than it sounds today. He even applied this conservatism to ideological conservatism itself, criticising Hayek for seeking an ideology of the market.

When you think of Oakeshott in this way, you realise why co-opting him for a political party — the way some tried to turn him into a patron saint of Thatcherism — was a profound misreading. Such passing allegiances seemed alien and trivial to him. So too did the incessant chatter we now call politics. I remember telling him I thought I would become a journalist after my PhD. His face fell. ‘I’ve always thought the need to know the news every day is a nervous disorder,’ he said, with a slight grin.

What fascinated him was someone who had mastered something practical — the experienced cook, the skilled gardener, the calm midwife. Probably his most profound influence in this respect was Taoist thought, which sees in steady, accumulated practical skill more wisdom and peace than a thousand books. There was, in this, a democratic spirit to the man. He seemed immune to respectability and rank. He turned down a knighthood offered by Margaret Thatcher. He was more entranced by children at play than any assemblage of the powerful or distinguished. When he died, his fellow villagers were gobsmacked to find that this eminence lived so quietly and politely among them.

Oakeshott knew social change was inevitable. But he thought it better to let civil society evolve in its own way — pursuing its own intimations, in his resonant phrase. One of his most famous anecdotes was about a rationalist and a non-rationalist seeing Helen of Troy. The non-rationalist would marvel at her beauty, at the elegance of the necklace of pearls strewn carelessly around her neck. The rationalist would want to arrange the necklace properly before he could admire it. Taking the world as it is is what Oakeshott recommended: present laughter over utopian bliss.

This was the opposite of doctrine. He represented what is best described as the conservatism of doubt. For him, ideology and certainty were as vulgar as they were untrue. He preferred the tradition of individual liberty and limited government, but he also accepted that there would be times when a society would have to act collectively towards a communal project — war, for example, or public education. What mattered was not right over left, but pragmatism over ideology. It is for this reason that American neoconservatives have so rejected him. For them, conservatism is about timeless truths — God-given liberty to everyone on earth, the need to promote good and punish evil, and to instil in the populace a respect for the universal truths America and the West represented. For them, conservatism is a political identity, not a human disposition. I remember once discussing Oakeshott with the father of neoconservatism, Irving Kristol. For him, Oakeshott was anathema, a dangerous relativist, an irresponsible bohemian, indifferent to the need to fight and win in political combat. In this diagnosis, Kristol was indeed correct.

But Oakeshott would have insisted that combat is less human than conversation; and that all we really know is in the unspoken traditions and sentiments that a coherent society musters for itself. He would have insisted that Western freedom was indeed a singular civilisational achievement — but also that it could not be separated from its unique historical and cultural emergence in the nation states of Western Europe since the Reformation. It did not exist as an abstraction, an idea or a truth, but as a cultural construct in a moment in time. And so the notion that Western liberty could suddenly be transplanted to, say, Iraq, would be a mistake. The idea wasn’t necessarily evil or ill-intentioned; it was simply wrong, and would end in tears. And Oakeshott’s insistence on this political and epistemological modesty in the end made American pragmatists and liberals more interested in him than in the neocons or the religious right.

The neocons also, of course, disapproved. I’m not sure what people mean by a conservative temperament. But the odds are that Oakeshott would have failed the test most would apply. His three wives do not begin to account for his lifelong commitment to romantic love. Love affair after love affair did not seem able to quench his thirst for the perfect woman. His religious faith, if one can determine it (and many have tried), was modernist, hostile to doctrine, but deeply Christian in a mystical, sometimes eastern way. He was an adventurer who once wandered through Europe, sleeping under hedgerows. He loved the individual character, the risk-taker, the voyager, the man or woman who knew who he or she was and lived it fearlessly. He saw the play of children as in some ways the apex of human civilisation — where the rules are understood yet unwritten, where the point is never winning but playing, and where change takes place very slowly and always with regret.

And he was in love with the individualism within himself. Maybe that was the real source of his political conservatism. He wanted a sober and calm and limited political order so that individuals like him could pursue the extreme and the risky and the quixotic. His ideal country was Andorra — a strange accident of a place with almost no government at all. He analogised the evolution of a polity to the MCC’s slow attempt to correct and refine the rules of cricket. He thought of Hegel as a liberal, Burke as irrelevant, and salvation as something that had nothing whatsoever to do with the future. And yet this oddly radical person put forward the most powerful case for political conservatism ever made."

Nem mais, nem menos

João Pereira Coutinho, na Folha de São Paulo

A arte da masturbação

SEJAMOS HONESTOS: o filme "Cisne Negro" promete ser revolucionário. Não na história do cinema. Mas no ensino da dança. A partir de agora, os cursos de dança terão de reformular os seus currículos. Sim, "Improvisação", "Estudos de Movimento" ou "Estudos de Repertório" continuarão a ser importantes.

Mas, na douta filosofia de Darren Aronofsky, director do filme, é preciso incluir novas classes. Como "Técnicas de Masturbação", por exemplo. Ou, então, "Dildos e Opiáceos", provavelmente para que os finalistas possam entrar na vida profissional em estado de transe. Esse, pelo menos, é o entendimento de Thomas (Vincent Cassel), o coreógrafo da companhia de bailado onde Nina (Natalie Portman) vai estrelar uma nova produção do "Lago dos Cisnes".

Mas Nina tem um gravíssimo problema: nunca transou. Tecnicamente, é perfeita; mas o fato de ainda ter o hímen intacto a impede de protagonizar o "cisne negro" com a intensidade perve rsa que o papel exige. Felizmente, Thomas tem uma ideia. Não, como seria de esperar, ele mesmo ser voluntário para aliviar Nina da sua trágica deficiência, uma proposta perfeitamente compreensível: quem, em juízo perfeito, nunca teve pensamentos impuros com Natalie Portman, a encarnação terrena mais próxima de um anjo? Não atiro a primeira pedra.

Mas Thomas não tem pensamentos desses; o seu amor à arte suplanta o amor a Nina. E a arte merece que Nina vá para casa e experimente tocar-se no conforto dos lençóis (cor-de-rosa). Em cinema, já assisti a tudo. Até aos filmes de Manoel de Oliveira. Mas a sequência em que Nina se masturba é tão esteticamente grotesca que seria aconselhável distribuir sacos de enjoo nas salas. Como é evidente, Nina não acaba bem: sexualmente reprimida e com a sanidade se desfazendo, ela não aguentará a competição directa de uma rival, Lily (Mila Kunis). Lily dança bem. Mas, ao contrário de Nina, oferece o ser viço completo. Quando saímos da sala, choramos pelo destino de Nina. E pensamos: "Coitada. Se ela ao menos tivesse transado...". Eis, em resumo, o filme de Aronofsky, um director que, antes de "Cisne Negro", tinha assinado um filme estimável sobre luta livre. Um tema que estava mais ao nível da sua mentalidade.


Acontece que os seres humanos raramente aceitam suas limitações e desejam voar mais alto. Aronofsky tenta. Nunca chega a descolar. Porque Aronofsky acredita que a "loucura da arte", na feliz sentença de Henry James, pode ser resumida ao cliché expressão/repressão, que domina grande parte das discussões analfabetas do nosso tempo.


Herdeiros de uma sensibilidade romântica abastardada, acreditamos que a arte deve ser "autêntica", e que a "autenticidade" consiste em abrir as comportas da alma, despejar os nossos "sentimentos" e "emoções" na via pública e, por via dessa catarse, nos libertarmos das nossas neuroses pessoais. Segundo essa doutrina, a arte não é arte, é terapia. Um romance não é um romance, é uma sessão de psicanálise por escrito. E o artista não é um artista, é como um doente mental que vive no asilo psiquiátrico e que pinta, ou escreve, por motivos estritamente terapêuticos, antes da medicação nocturna. Visitar grande parte dos nossos museus, dos nossos palcos ou das nossas estantes é tropeçar continuamente nessas alegres pornopopeias. Tragicamente, Aronofsky e companhia ignoram que a arte não é questão de expressão ou repressão, mas de disciplina e sublimação.


Para retomar as palavras de T.S. Eliot, a criação artística é um exercício de auto-sacrifício em que, para expressar uma personalidade, é necessário primeiro extinguir a personalidade. E encarar o processo criativo como o momento sacramental em que elevamos o que somos, o que não somos e o que gostaríamos de ter sido a um patamar sublime. Se a sensibilidade de Aronofsky não estivesse tão próxima de um Neandertal, ele teria percebido que, no caso de Nina, era precisamente a sua complexidade feita de repressão e temor, mas também de graciosidade e sede de perfeição, que faria dela uma incomparável artista. Ao confundir a natureza da arte com a arte da masturbação, tudo que resta de "Cisne Negro" é um ecrã viscoso e sujo. Como um lençol de adolescente.

terça-feira, fevereiro 22, 2011

Dar um tempo

Não sejam parvos

O meu micro-post sobre a canção dos Deolinda, suscitou dois comentários.

Aqui, o Richard pergunta «Não é legítimo os jovens manifestarem-se?».

Aqui, o Rodrigo manda-me «apanhar ar do mar», não sem antes me garantir, com direito a link (http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=469209), que o meu comentário é «completamente desajustado e irrealista» e que eu ando a «atirar areia nos olhos» de alguém (que ele próprio não quer ou não consegue identificar).

Ao Richard, digo: perfeitamente legítimo. Tão legítimo quanto a minha opinião sobre o assunto. A questão não é de legitimidade. Nem de liberdade.

Ao Rodrigo: não percebo por que razão me desajustei da realidade. Partindo do princípio de que podemos seccionar historicamente (leia-se evolutivamente) e em postas homogéneas a população de um determinado país em «gerações», lamento informá-lo do seguinte: todas as gerações tiveram, e têm, «problemas». Só um ignorante ou um distraído pode afirmar que a actual geração dos «jovens», está em pior condição que as anteriores.

Sim, é verdade: há trinta ou cinquenta anos atrás, as «oportunidades» (seja lá o que isso for), não se encontravam no estado de rarefacção actual. Havia, como diria o meu pai, «muito caminho para desbravar». Sim, é verdade: hoje a competição é maior e para o mesmo osso saltam, esfomeados, demasiados cães (que me desculpem a imagem). Mas é preciso ser-se muito míope para não aceitar e reconhecer várias coisas.

A primeira: o mundo mudou e, com ele, os «paradigmas», a sociedade, os mercados (incluindo o do trabalho). Em perspectiva, essa mudança não foi sinónimo de pobreza, miséria ou desespero. Pelo contrário: os níveis e padrões de vida são hoje incomensuravelmente superiores aos de trinta, cinquenta, cem anos atrás. Mais: a liberdade de escolha e a mobilidade são hoje maiores, com os benefícios daí decorrentes a suplantar os prejuízos. Duvido muito que um jovem adulto tenha, hoje, a cabeça formatada para aceitar um «emprego para a vida». Sim, existe mais «precariedade» se aferirmos a duração média de um determinado emprego, mas a liberdade de escolha e de movimentação é maior, por via, também, da formação e da educação. Há cinquenta anos atrás, um jovem filho de assalariados rurais, não tinha grande escolha quanto ao futuro. Hoje em dia, tem. Pouco? Talvez. Mas muito mais do que o avô.

A segunda: vejo por aí demasiados «jovens» agarrados, e sem parecerem estar propriamente muito incomodados, ao ócio e à doce e indulgente protecção paternal. Se queremos assacar responsabilidades a alguém, neste putativo impasse existencial em que vivem, desgraçados, os «jovens», não é ao Estado, à legislação laboral, ao neo-liberalismo ou à Sra. D.ª Merkel, mas antes à educação e a um ambiente familiar pouco exigente (reparem que rejeito a palavra «competitivo»), facilitador e excessivamente protector. Hoje, o menino quer um carro, o menino tem um carro. Hoje, o menino quer viajar, o menino vai viajar. Hoje, o menino está deprimido, passa-se a mão pela juba do menino, coitado, que os tempos são cruéis. Hoje, ao menino oferece-se um trabalho «desprestigiante», há que estar ao lado do menino quando ele disser «que horror, não nasci para isso». Nas últimas décadas, produziu-se a uma velocidade estonteante uma casta de «jovens» que, no que toca à garra, à vontade de lutar e trabalhar, mataria de vergonha os seus antepassados (que, é bom dizer-se, em 99,99% dos casos viviam muito pior).

Não me comovo, por isso, com a ladainha dos Deolinda. As estradas e as fronteiras – as físicas e as outras – estão desimpedidas. Como nunca, aliás, estiveram. Por isso, mexam-se, meus queridos. Não sejam parvos.

sábado, fevereiro 19, 2011

Bom fim-de-semana

E agora algo muito elaborado e profundo sobre a canção de que tanto se fala

A canção é basicamente parva. Os Deolinda são basicamente parvos. Os meninos que, de canudo na mão, esperam passivamente pelo empregozinho na função pública ou pelo vinculo não precário, e cantam emocionados a canção dos Deolinda, são basicamente parvos.

(Desgraçados são aqueles que, aos quarenta ou cinquenta anos, se vêem desempregados.)

(publicado originalmente aqui)

Subserviência, cegueira, insanidade (escolha o leitor)

Emídio Rangel, o lambe-botas mor desta república de majestáticas deferências e submissos apaniguados, achou-se indignado com as declarações do governador (que, às tantas, apelidou de presidente) do BdP, o qual terá anunciado que Portugal entrou em recessão no início deste ano. É isso mesmo que devemos todos ser: cobardes em relação à realidade e empenhados em mascarar a verdade, não se dê o caso de algum senhor estrangeiro descobrir aquilo que mais gostamos de ser: trafulhas e esquizofrénicos.

(publicado originalmente aqui)

Sonhos húmidos

Serei o único a achar obscena a forma como o Eng. José Sócrates alardeia a «sua» obra? Num país com tantas e tamanhas assimetrias - com escolas que pedincham dinheiro aos pais para comprar material didáctico, escolas onde os alunos batem os dentes com o frio que sentem dentro da sala de aula, salas de aula decoradas com o bolor proveniente de infiltrações - pedia-se ao primeiro-ministro deste país, um mínimo de pudor e de recato, na hora de fazer qualquer coisa. Pavonear a «escola do futuro» assim, não é só demagógico e populista. É ofensivo e, no limite, triste. Muito triste. Não chega já desta propaganda jactante e terceiro-mundista?

(publicado originalmente aqui)

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

Eça

"Na política só há estes fins: conveniência oficial, sentimento oficial."

Eça de Queirós

in Distrito de Évora

sábado, fevereiro 12, 2011

Bom fim-de-semana

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Olha que bem

O Lourenço é, agora, meu companheiro (camarada, palhaço, etc.) aqui. A coisa vai-se compondo.


Do cinismo

Das reacções ao anúncio de uma moção de censura por parte do Bloco de Esquerda, sobressai, acima de tudo o resto, a forma mal disfarçada como o PSD e o CDS travam, por estes dias, um conflito interior contido num colete-de-forças cozido a cinismo e tacticismo, que com o passar do tempo dá sinais de estar em processo de desconjuntamento.

Nem o PSD, nem o CDS, rejeitaram de forma clara ou, como é moda dizer-se, «assertiva» a mesquinha e infantil jogada de Francisco Louçã. Lá no fundo, por detrás da grandiloquente defesa da «estabilidade política» e do propalado desejo de que se «cumpra a execução orçamental» (a bem de Portugal, blá blá, blá), os dirigentes do PSD e do CDS tentam mascarar a vontade de ocupar a cadeira do poder (não ponho em causa as boas intenções), enviando, de preferência, o Eng. Sócrates para um longo exílio beirão.

Deixemo-nos de tretas: no fundo, o PSD e o CDS desejam que a execução orçamental falhe e que o clima social e económico se degrade. Se a execução orçamental se cumprir e o país começar a dar sinais de recuperação económica, o Eng. Sócrates ressuscitará para a vigésima quinta vida e dificilmente o Dr. Passos Coelho (que muitos observam como um José Sócrates laranjinha) voltará tão depressa a ter um lugar ao sol. Pensar que a direcção do PSD está disposta a esperar até ao fim da legislatura (mesmo correndo a governação de forma sofrível ou, digamos, aceitável), é não perceber como funcionam os partidos de poder. É notório que o anúncio da moção de censura do Bloco suscitou, na hostes sociais democráticas (para só falar nestas), um «eh pá, que bom seria aproveitarmos isto», seguido da sacramental pergunta «mas será que a coisa está madura?».

(publicado originalmente aqui)

Nuzinhos

Nem tudo no zapping é mau. Ontem à noite, intercalei, de forma mais ou menos frenética, a emissão da SIC Notícias com a da TVI 24. De um lado (SIC-N), o programa Contraste, com a presença de Francisco Assis, Morais Sarmento e um outro convidado do qual não retive o nome. Do outro (TVI 24), a entrevista de Constança Cunha e Sá a António Barreto. Ali esteve o contraste: de um lado, a picardia inconsequente, mesquinha, impregnada de hipocrisia e dissertações redondas e penetrantes como o olhar de um idiota; do outro, uma análise serena, desassombrada e lúcida, sem salamaleques e argumentos da treta. A televisão despe as pessoas. E há pessoas que se dispensava observar descobertas, expostas à sua mediocridade.

(publicado originalmente aqui)

Um azar nunca vem só

Ainda a braços com a operação Quitoso em Downing Street, sobre David Cameron abateu-se outra arrelia: o Público, na sua já lendária secção «Sobe e Desce», atirou a David Cameron uma setinha para baixo. Motivo? Ora leiam: «Sentando ao lado de Ângela Merkel, o primeiro-ministro britânico atacou três décadas de multiculturalismo no Reino Unido, defendendo que as políticas de integração têm alimentado o extremismo. Dirigiu-se explicitamente aos muçulmanos, que já reagiram contra um discurso que acusam de alimentar “a histeria e a paranóia”».

Não se percebe se o Público discorda da crítica ao multiculturalismo (neste caso assumindo o jornal o seu amor pela doutrina), ou se, achando-a legítima ou minimamente acertada (por se tratar de uma corrente que, em certa medida, bloqueia uma discussão franca sobre o papel e o lugar dessas comunidades, ou por ter conduzido a uma espécie de appeasement em relação a condutas que encerram em si as sementes do extremismo), apenas não apreciou o facto de o primeiro-ministro andar em público a falar dessas coisas e, com isso, a melindrar as comunidades (muçulmanas, etc.), utentes, lá está, do dito multiculturalismo. Das duas uma: ou o Público desconhece o problema inglês (tão cristalinamente exposto do livro de Melanie Phillips Londonistan: How Britain Has Created a Terror State Within), ou o Público prefere que certas coisas não sejam proferidas em público (a bafienta postura do let sleeping dogs lie).

Na mesma secção, e no mesmo dia, o Público atribuiu uma setinha para cima a Paulo Borges. Motivo: fundou um partido que tem como prioridade a Felicidade Interna Bruta (FIB em vez do PIB) e como desígnio a defesa de todos os seres (humanos e não humanos).

É notório que, entre Cameron e piolhos, o Público apoia os pediculus humanus capitis.

(publicado originalmente aqui)

segunda-feira, fevereiro 07, 2011

This is why events unnerve me





Um paradigma

Esta notícia diz muito, ou tudo, sobre um país.

Como escrevi aqui, há meses, não faltam por aí indicadores ou sinais – pequenos, grandes, assim-assim – que ilustram na perfeição aquilo a que poderíamos designar de «mentalidade de um povo», caso quiséssemos ou pudéssemos identificar um colectivo homogéneo de faculdades intelectuais e estados psicológicos, num país repleto de idiossincrasias as mais diversas e de gente dissemelhante.

Na altura, referi os sinais de aparência inconsequente ou mesquinha, mas que muito diziam, e dizem, da «mentalidade de um povo» (peço desculpa por insistir nesta mega-categoria, em que eu próprio não acredito, mas que dá um jeito do caraças quando toca a servir argumentos): o número reduzido de pessoas que se observa a ler nos transportes públicos ou na fila para o autocarro (pode distrair a mente e levar à perda da saída ou da entrada); a percentagem ínfima de veículos com caixa automática, com especial e incompreensível incidência no caso dos táxis (prescinde-se, desta forma, de exercitar a perna esquerda no ginásio); o número insignificante de pessoas que recorre a trolleys para transportar as compras do supermercado (a força de braços é bem mais estimulante); a estranha aversão dos cafés e pastelarias em disponibilizar compotas e derivados para servir com ou no pão (manteiga, fiambre e queijo e já é uma sorte!); o grau de utilização de bicicletas nas cidades (é preferível recorrer ao carro por tudo e por nada, até porque procurar lugar para estacionar é desporto nacional); as horas improváveis que a generalidade dos serviços de recolha do lixo escolhe para o fazer (é sempre simpático perfumar uma esplanada cheia de pessoas com o inebriante bouquet dos detritos urbanos). Podia acrescentar mais um: a obsessão, meio idiota, meio saloia, com a «calçada à portuguesa», responsável pelo facto das nossas cidades serem, no mundo dito civilizado, as que oferecem as piores condições de locomoção pedonal.

Estes foram, e são, os exemplos, digamos, «pequenos». Mas se os estimados leitores querem um de peso, apresento-vos o do (estranho) caso do transporte ferroviário.

Em pouco mais de trinta anos, Portugal (ou, se quiserem, os seus decisores), espatifaram, com efeitos que levarão décadas a reverter, a rede de caminhos-de-ferro (que já por si era fraquinha). Recorrendo agora à expressão da ordem, o bendito «modelo de crescimento» fez o seu caminho no Portugal de Abril também com base num tortuoso sistema de contrapartidas: invista-se no macadame, corte-se na ferrovia (com o beneplácito e a gratidão da industria automóvel). Ano após ano, e tirando da equação o trajecto de eleição dos decisores (Lisboa-Porto-Lisboa-Porto-Lisboa-Porto… já chega?), os comboios foram desaparecendo. Os que restaram, parecem do tempo do saudoso Fontes Pereira de Melo (que, com estas notícias, já deve dançar o vira no tumulo). Basta ilustrar o caso com a oferta de serviços disponibilizada pela CP (dados recolhidos há cerca de um ano):

  • Duração de uma viagem de comboio Évora-Covilhã: 8 horas e 2 minutos; número de partidas diárias: 2;
  • Duração de uma viagem de comboio Évora-Portimão: 6 horas e 10 minutos; número de partidas diárias: 2;
  • Duração de uma viagem de comboio Évora-Castelo Branco: 6 horas e 30 minutos; número de partidas diárias: 2;
  • Duração de uma viagem de comboio Évora-Figueira da Foz: 7 horas e 17 minutos; número de partidas diarias: 2;
  • Duração actual de uma viagem de comboio Faro-Elvas: 8 horas e 51 minutos; número de partidas diárias: 1.

Bem podem os cínicos, perdão, os idiotas da lógica e da objectividade, perdão, os aferidores do binómio causa-efeito, dizer: desapareceram porque as pessoas desapareceram, e a CP - racionalista, certinha, bem mandada -desinvestiu onde não havia razões para investir. Parte-se do confortável princípio de que a rede ferroviária acompanhou o êxodo das populações (nunca o inverso), assim como se parte do princípio de que o encerramento de escolas reflecte directa ou indirectamente a migração do bom povo para o litoral (centro). É assim, em Portugal: há sempre uma explicação certinha, racional, que explica tendências e cauciona decisões políticas.

Deixem-me, por momentos, arriscar a idiotice: é provável que as pessoas tomem a decisão (por vezes dolorosa) de sair desta ou daquela cidade ou região porque, entre outras coisas, se sintam incomodados por uma crescente sensação de isolamento físico e psicológico, consubstanciada pelo facto da oferta de serviços (escolas, transportes, comercio, instalações culturais, etc.) tender para a rarefacção ou para a mediocridade. Uma família que decida fugir do bafio e da confusão de uma grande cidade (colocando a hipótese de «investir» no interior), mais facilmente o fará se souber que a sua saída não é sinónimo de isolamento. No mesmo sentido, uma família que, vivendo no interior, precise (por razões profissionais, educacionais, etc.) ou goste (por razões lúdicas) de se «movimentar», mais dificilmente abandonará o «ninho» se souber que o pode fazer sem grandes sacrifícios ou incómodos, regressando à base de forma rápida, segura, confortável e barata. Uma boa rede ferroviária, disseminada pelo território, para além de encher as medidas dos ambientalistas e de ser instrumental na distribuição eficaz de bens e mercadorias, é um dos factores que contribui para a denominada «coesão territorial» (que eu não sei o que é, mas os leitores sabem). Pela simples razão de permitir, ou ajudar a permitir, que as populações se fixem e aí desenvolvam as suas actividades, exigindo mais meios e criando condições para um desenvolvimento, como sói dizer-se, «sustentado».

Ao contrário de Pedro, o Grande, que em 1703, na confluência do Neva com o Báltico, anunciou «aqui haverá uma cidade» (facto que aprendi num livro que eu e o Sr. Maradona lemos há muito), os decisores políticos do Portugal democrático – todos, sem excepção – fizeram questão de anunciar «aqui não haverá comboios» – decisão certamente alicerçada nos infalíveis e inevitáveis estudos custo-benefício. Um dia, não se admirem de vivermos num país estupidamente assimétrico, desigual e esquizofrénico.

Ah, perdão, já vivemos? Não tinha reparado.

sábado, fevereiro 05, 2011

Bom fim-de-semana

terça-feira, fevereiro 01, 2011

E agora: o Egipto

O éter está inundado de notícias sobre o Egipto. Os especialistas sobre tão fascinante matéria, brotam que nem cogumelos. Gostei, em particular, de uma senhora doutora (infelizmente não retive o nome), especialista em geopolítica e em «estudos islâmicos». Entre outras coisas, garantiu a senhora doutora que a Irmandade Muçulmana é predominantemente uma agremiação de carácter social, empenhada no desenvolvimento de uma rede de creches, escolas e afins. Sou levado a acreditar nesta informação. Há uns anos atrás, explicaram-me o mesmo em relação ao Hamas. Outra notícia fantástica, que muito me enriqueceu, foi a que deu conta da situação, in loco, das lojas da marca portuguesa Parfois. O responsável da empresa, numa oportuna entrevista concedida a uma estação de televisão portuguesa, sempre atenta às grandes movimentações do capital mais ou menos intensivo, confessou-se preocupado: parece que a coisa, lá no Egipto, está tremida e que, à conta da «instabilidade», teve que encerrar uma superfície comercial (ter-se-á registado um caso de «vandalismo»).

Vamos a caminho do esclarecimento total, é o que vos digo.

(daqui)

Está lá?

Este senhor não tem ido à caixa de correio do seu ilustre blog, pois não?
Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.