O MacGuffin: Didas

quinta-feira, janeiro 30, 2014

Didas

Miguel Esteves Cardoso, Público 30/01/2014

Para a Marieta 
"Anteontem morreu a nossa gata Marieta. É impossível não pensar nela. Vivia connosco desde 1998 e era pouco maior do que quando era pequenina. Era uma persa-tartaruga elegante, resmungona e selectiva. Quando a Marieta gostava de uma pessoa ou de um gato (o Agostinho), gostava com o coração todo e não vacilava. 
Era uma grande amiga e uma grandiosa inimiga. Quando não gostava de uma pessoa (toda a gente) ou de um gato (todos os gatos, especialmente o Casimiro), toda ela se transformava num diabrete de snobismo, desprezo, nojo, violência e assanhamento. 
Nunca conheci um bicho mais meiguinho ou mais doido por festinhas e companhia. Nunca se ia embora. Ia-se derretendo. Virava-se e oferecia a fofura da barriguinha. Babava-se de tão contente. Era a imperatriz da sensualidade. Quando esteve com o primeiro cio, antes de ser esterilizada, a fúria sexual dela era avassaladora. Não sabia que coisa era a timidez, a vergonha ou o fazer-se cara. 
Era uma brincalhona séria: compreendia, como poucos gatos e nenhum cão, que brincar é um bem de primeira necessidade. Não se divertia quando brincava: empenhava-se e tentava vencer, não descansando enquanto não vencesse. 
Todos os dias muitos seres humanos perdem não apenas a companhia como a presença e a existência dum ser melhor do que o humano com uma personalidade menos apessoada e fingida do que a nossa. 
A Marieta era uma dessas pessoas. Que choramos: agora somos nós os que chamamos por ela. E ela não vem."

2 Comentários:

Blogger margarida disse...

Ó meus deuses, como isto dói! Como sei tão bem (mal) o quanto trucida a ausência de um ser assim na vida de todos os dias, nos sonhos bons, na paz de adormecer e na maçada de despertar. Só eleitos percebem assim visceralmente como os patudos das nossas existências são anjos cruciais. Tal mágoa pela ausência da bichana fez-me chorar lágrimas como se fora minha. Mentira, como se fosse dela.

10:26 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

É assustador: a humanuzação de um animal, tenha ele nome próprio, seja doméstico , de carinho, estima e hábito, é frequentemente acompanhada pela desumanização das Pessoas. As marietas da minha casa são muito mais importantes do que o vizinho da porta da frente: é claro que não digo, nem sei, que seja este o caso, mas os tempos actuais são claramente esses.
Vasco Silveira

12:35 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.