O MacGuffin: Correio 2

sexta-feira, fevereiro 04, 2005

Correio 2

Da colega Ana Albergaria:

"Li o post sobre o dr. Louçã e decidi repartir contigo algumas ideias. Claro que concordo contigo, mas queria ir mais longe. Porque apesar de ter de me encharcar em anti-histamínicos quero falar-te do dr. Louçã tal como o vejo: um injustiçado! Sim senhor. Fazemos-lhe muitas injustiças. Passamos a vida a falar dele e de Trotsky (cheguei a imaginá-los aos dois, de braço dado, com lindas foices na mão a caçar gambozinos nas estepes de Alma-Ata, mas confesso que sou muito dada a sonhos eróticos... ) e está mal. Ele, de Trotsky tem pouco. Ele - até as sondagens o confirmam - é muito mais importante que isso: é um líder nato. Um timoneiro. Só podemos, se quiseremos ser justos, compará-lo a esse grande democrata que foi Josef Vissariovich Djugatchvili, aka Zé Estaline! Não, não tremas. Ainda agorinha ouvi uma publicidade à Grande Reportagem desta semana, na TSF, e o texto é bem explícito: Louçã é o papão da direita! Só um cego não vê o paralelismo, pá. Não é Louçã, tal como o Zé Estaline, um superprotagonista político? Não exerce influência aquém e além fronteiras? Lembra-te sempre da Holanda... Um primeiro entre os demais e mai'nada! A diferença - para já - é que Louçã é um teórico e o Zé foi um rapaz mais pragmático. Mas dá-lhe tempo; dá-lhe tempo!... Faz, comigo, este pequeno exercício: custa-te imaginá-lo, quando o ouves ou lês, a participar na revolução bolchevista de 1917? E a patrocinar umas fériazitas na Sibéria? Imaginar que, por ordem sua, milhões (poucos porque Portugal só tem 10) de compatriotas terão oportunidade de alargar os seus horizontes e conhecer novos mundos, mais gelados e, por via disso, ter de trabalhar para aquecer? Imaginar que aquela postura professoral não lhe ficou de Lenine? Ter escolhido BE porque PCUS podia ter conotações sexuais? Aqui estás tu a pensar: olha lá, ó minha parva, mas não foi o Estaline que perseguiu Trotsky? Foi. Foi mas isso é como aqueles namoros em que um bate e o outro quer. Além disso não te admires se daqui a tempos encontrarem ex-aliados, e não aliados, num mar de sangue com tesouras de poda espetadas nas costas. Sim, porque esse é o destino de quem for incapaz de aceitar a sua "incontroversa superioridade moral e intelectual". Ele até o pode negar hoje, mas a mim não me engana. Sei reconhecer um líder com este calibre quando o vejo. Seria trigo limpo farinha Amparo. Mais paralelismo: qual é a cartilha política, qual é? Todos os meios são bons para atingir o objectivo: o poder absoluto da "verdade"; e quanto mais totalitário melhor que, isto já se sabe, não faltam reaccionários... E purgas políticas? Diz-me que não imaginas Louçã a fazer grandes purgas colectivas que e até te dou um prémio! Primeiro os que não geram vida, depois quem ouve fado e vai às touradas; depois - já mais democrata- toda a gente que tem a lata de o contrariar. Colegas de partido incluídos. 'Tou mesmo a imaginar o cabeçalho - único - do jornal A Pravda Louçã (será o mais lido de todos, claro ): Czar de todos os lusos! A religião de estado mudava : marxismo-leninismo à portuguesa.Não delegava poderes, a não ser no colaborar que - apesar da linhagem -viu a luz ( pela frincha das PORTAS ); uma espécie de «general Inverno ». Depois, e ajudado pela meteorologia, decretava a «guerra quente » e nada seria capaz de o deter. Cortinas de ferro fundido seriam obrigatórias em todas as casas e viveríamos todos felizes para sempre. Quer-se dizer...acabaria por aparecer um Khruchtchev à portuguesa , digo eu; mas sei que sou uma optimista e o optimismo não garante resultados.

Mas esquece. Esquece isto tudo.Divago e deliro. Eu só quero dizer que somos, de facto, muito injustos com o dr.Louçã. E esta é que é a verdadeira Verdade.

Ana"

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.