O MacGuffin: João Pinto e Castro

sexta-feira, junho 14, 2013

João Pinto e Castro

Escrevia primorosamente. Tinha um sentido de humor fantástico (tantas vezes deliciosamente corrosivo, sobretudo quando batia «nos nossos»), pontuado pela ironia da praxe (da boa). Inteligente, culto e provocador, obrigava-nos a pensar (oiça-se esta entrevista, para o perceber). Para quem, como eu, não pertencia à sua família política (expressão irritante, eu sei), sabia-se que se estava na presença de um «adversário» de respeito (um «osso duro de roer»). Na política, batia-se com valentia e estilo (o que às vezes irritava a malta «deste lado»). Era um «moderado» (na acepção mais nobre da palavra), mas não tinha a mínima paciência (e com razão) para a mediocridade e para o lado «cafajeste» da politicazinha partidária (daí que, por vezes, fosse deliciosamente desbragado).

Não o conheci pessoalmente. E descobri-o tardiamente (agradeço ao maradona o empurrão). Apesar das discordâncias, ou sobretudo por causa delas, sinto que é uma grande perda.

Paz à sua alma. Condolências à família.

A melhor homenagem? Ler o que escreveu:

Milionários inconsoláveis

O neo-liberalismo e eu

Pesadelo encadernado

A tragédia do povo russo

TPC

Porque é errado avaliar os professores pelos resultados dos seus alunos

Mais contentores, já!

Etc. etc. etc.




0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.