O MacGuffin: Go f**k yourself, Mr Morgan

quarta-feira, julho 20, 2011

Go f**k yourself, Mr Morgan




PS: Em resposta aos comentários a este post:
1. Não gosto de jornalistas-estrela;
2. Não gosto de jornalistas-estrela pedantes e enfatuados;
3. Não gosto de jornalistas-estrela pedantes e enfatuados que fizeram carreira em órgãos de comunicação de qualidade mais que duvidosa, onde era hábito, está-se agora a constatar, violar de forma sistemática a privacidade de milhares de pessoas, anos a fio;
4. Não gosto de jornalistas-estrela, pedantes e enfatuados, que quais virgens ofendidas nos tentam agora convencer, depois de terem trabalhado e dirigido, anos a fio, órgãos de comunicação que violaram de forma sistemática a privacidade de milhares de pessoas, que estão acima de qualquer suspeita e/ou que nada sabiam;
5. Não gosto de jorntalistas-estrela, pedantes e enfatuados, que julgam arrogar-se no direito, pelo poder que têm e o dinheiro de que dispõem, de defender os seus argumentos de forma arrogante e em modo «peixerada»;
6. A Louise Menschen é gira e eu não gosto do Piers Morgan;
7. E sim: a imunidade parlamentar existe para casos como este.

PPS:
"Three points:


1. Morgan revealed in his book that he had knowledge of the phone hacking "trick" long before this issue became a news story.
2. The "scoop" Louise Mensch was referring to involved Ulrika Jonsson and Sven-Goran Erikson
3. Two weeks ago, Lib-Dem MP, Adrian Sanders, claimed: "The Daily Mirror, when under the auspices of Piers Morgan, is suspected of using voicemail interception to reveal Sven-Goran Eriksson’s affair with Ulrika Jonsson."
So she was right to raise this matter."

7 Comentários:

Anonymous Joaquim Amado Lopes disse...

Não entendo o título.
_
Louise Mensch fez uma acusação muito explícita, citando textualmente uma parte do livro de Piers Morgan e afirmando que, no mesmo livro, este teria confessado um acto que configura crime.
_
Confrontada com Piers Morgan, que afirma que tal confissão não consta do livro, Mensch refugia-se num privilégio que, aparentemente e pelo que ela própria reconhece, lhe permite afirmar o que quiser em Comissão sem receio de ser processada.
_
A menos que o Carlos tenha lido o livro e saiba que ela disse a verdade, pelas respectivas atitudes parece claro quem está seguro do que diz e o único título que faria sentido seria "Go f**k yourself, Miss Mensch".
_
O Carlos confirma que as alegações de Mensch correspondem à verdade?
_
Não conheço Piers Morgan e não faço ideia se ele seria capaz de escutar mensagens privadas de outras pessoas. Ele até pode merecer títulos como o deste post mas, pela peça apresentada, neste caso é ela que o merece.

9:20 da tarde  
Anonymous jcd disse...

...Louise Mensch, a Conservative member of Parliament, appears to have misrepresented a passage from the autobiography of Piers Morgan, a former editor of two British tabloids, The News of the World and The Mirror.

Ms. Mensch claimed that Mr. Morgan, who now works for CNN, boasted of phone hacking in his book, “The Insider: The Private Diaries of a Scandalous Decade.” A look at the book, however, shows that this is not correct. Mr. Morgan wrote that he suspected that he had been a victim of phone hacking, not that his reporters had used the practice to get information.

Mr. Morgan wrote that, at one stage, he was puzzled as to how other newspapers had obtained confidential information about him. In one entry in the dairy, he wrote: “I am mystified. But someone suggested today that people might be listening to my mobile messages. Apparently, if you don’t change the standard security code that every phone comes with, then anyone can call your number and, if you don’t answer, tap in the standard four digit code to hear your messages. I’ll change mine just in case, but it makes me wonder how many public figures and celebrities are aware of this little trick.”

It might be that Ms. Mensch has not read Mr. Morgan’s book, but instead a recent post on the British blog Guido Fawkes, which printed that passage out of context to support the allegation that Mr. Morgan had sanctioned phone hacking.

When Ms. Mensch made the same incorrect claim about his book during the earlier session with the Murdochs, Mr. Morgan objected on Twitter: “That MP just claimed I boasted in my book of using phone-hacking for a scoop. Complete nonsense. Just read the book.”

daqui: http://thelede.blogs.nytimes.com/2011/07/19/latest-updates-on-phone-hacking-scandal/

10:00 da tarde  
Blogger Lourenço Cordeiro disse...

O Piers Morgan só serve para levar bananos do Jeremy Clarkson, mais nada.

3:29 da tarde  
Anonymous Joaquim Amado Lopes disse...

Piers Morgan é um "jornalista-estrela pedante e enfatuado". Louise Menschen é "gira.

É óbvio que o Carlos tem que ficar do lado de quem mente e difama protegido pela imunidade parlamentar.
Afinal, a imunidade parlamentar serve precisamente para que gajas giras possam mentir e difamar sem receio de terem que responder por isso em tribunal.

9:05 da tarde  
Blogger MacGuffin disse...

Dos sete pontos que apresentei, o Joaquim leu apenas um (os outros pouco lhe interessam): aquele em que eu confesso ou assumo o lado subjectivo da minha interpretação dos factos (não gostar do Morgan e achar a Louise «gira»). E parece não compreender o ponto da imunidade parlamentar, confundindo imunidade parlamentar com impunidade para lamentar. A imunidade parlamentar existe para que os deputados – ou seja, os representantes do povo – possam ser incómodos (e às vezes pisar o risco) quando estão em causa questões de importância maior - como esta, onde está em causa a defesa de direitos fundamentais e a próprio credibililidade de um dos pilares do escrutínio público: os jornais. Dito de outra forma, a imunidade parlamentar existe para que os deputados possam «pisar o risco» em nome de interesses superiores (o esclarecimento cabal do que se passou), lançando para cima da mesa questões, mesmo que na aparência erradas, que conduzam ao aprofundamento das investigações, espevitando, dessa forma, os instrumentos clássicos de escrutínio público. Como a própria Louise referiu, o que está dito, dito está: o que se espera agora é que os jornalistas investiguem o passado dos tablóides (quer sejam ou não do Sr. Murdoch), incluindo os seus mais dilectos defensores e servidores (actuais e passados, como foi durante anos Piers Morgan). É bom não esquecer que Piers Morgan não tem propriamente um passado recomendável no que respeita à aplicação de certos critérios editoriais e foi sobre a sua batuta que se levantaram inúmeras suspeitas quanto à origem de certos furos jornalísticos (se o Joaquim não sabe, informe-se). Dito de outra forma, Piers Morgan não é um santo. Ainda a procissão vai no adro e eu creio que Louise Menschen sabe do que está a falar.

12:14 da manhã  
Anonymous Joaquim Amado Lopes disse...

Carlos,
Os pontos que apresentou, li-os todos. O Carlos é que parece que não.

Pontos 1 a 5: o Carlos não gosta do tipo de pessoas que acha que o Piers Morgan é;
Ponto 6: o Carlos acha a Louise Menschen gira e não gosta do Piers Morgan;
Ponto 7: o Carlos acha que a imunidade parlamentar é para casos como o em discussão.

Os primeiros 6 pontos são irrelevantes para a discussão. Tê-los apresentado e toda a sua argumentação demonstram que eles são o que verdadeiramente faz diferença para si. O ponto 7 é relevante mas o Carlos parece querer ignorar o que este caso realmente é.

Creio que será consensual que, antes de apresentarem os seus comentários em comissões parlamentares, os deputados não devem ter que os fazer passar pelo crivo de várias equipas de advogados para evitarem ser processados. É importante que os agentes políticos possam (como escreveu) "pisar o risco" e "lançar para cima da mesa questões, mesmo que na aparência erradas, que conduzam ao aprofundamento das investigações, espevitando, dessa forma, os instrumentos clássicos de escrutínio público". O problema é que não é esse o caso.

A questão das escutas está em cima da mesa e a ser discutida. Os autores dessas escutas estão a ser ouvidos e seria perfeitamente legítimo que um deputado colocasse perguntas sobre a actuação de Piers Morgan quando era editor do "The News of the World" ou do "The Mirror". Mas não foi isso que Louise Menschen fez.

Louise Menschen não questionou se Piers Morgan teria sido autor ou cúmplice desse crime. Antes afirmou *textualmente* que, no seu livro, Piers Morgan *confessou* ter cometido esse crime. Ora Piers Morgan até pode ter feito muito pior do que isso mas, pelo que afirma quem leu o livro, não fez o que Louise Menschen afirmou *textualmente* que ele fez.

Por muito gira que seja (e é), Louise Menschen mentiu deliberadamente e, quando confrontada com a sua mentira, escudou-se por detrás da imunidade parlamentar (que não existe para que os deputados possam mentir e difamar impunemente).
Se a intenção era puxar o Piers Morgan para a discussão, bastava apontar que este foi editor do "The News of the World" e que até tinha escrito sobre as escutas no seu livro. Isso era suficiente para que fosse chamado a depôr e confrontado com o que quer que Louise Menschen tenha na manga. Assim, quando Piers Morgan fôr confrontado com o que quer que seja, ele terá muito mais credibilidade que Menschen porque estará estabelecido que esta mentiu deliberadamente (mesmo que não possa ser processada por isso).

Posto isto, o Carlos pode mandar Piers Morgan f**k himself as vezes que quiser. Afina, basta não gostar dele.

9:52 da tarde  
Blogger MacGuffin disse...

Amigo Joaquim: fui de férias! Em Odeceixe tratarei de pensar numa resposta sofrível para os seus excelentes argumentos. Abraço e até breve.

12:59 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.