O MacGuffin: E isto pouco ou nada tem que ver com a liberdade de opinião, somente invocada para disfarçar a ignorância

terça-feira, outubro 27, 2009

E isto pouco ou nada tem que ver com a liberdade de opinião, somente invocada para disfarçar a ignorância

Richard Zimler ao Ípsilon in Público:

Concluindo, custa-me compreender como é que alguém, ainda que vagamente familiarizado com a filosofia e a literatura ocidentais, pode acreditar que erguer-se em 2009 contra a crueldade contida no Antigo Testamento tem alguma coisa de novo ou de chocante. Ou sequer interessante.

O que é interessante é perguntarmo-nos por que razão exige Deus uma tão absoluta fidelidade aos israelitas e os castiga tão brutalmente por Lhe desobedecerem. Por que são outros povos, como os cananitas, olhados com tanto desprezo. O que diz tudo isto sobre as condições políticas e sociais em Israel em 500 a.C. E o que diz a relação de Deus com Israel sobre a "natureza tribal" das religiões da antiguidade.

Estes, sim, são temas importantes a merecer respostas sérias dos estudiosos.

Mas, naturalmente, nada disto mereceu a atenção de Saramago nem dos que reagiram às suas críticas ao Antigo Testamento. O que me traz ao aspecto mais perturbador e alarmante de toda esta tola controvérsia. Os jornalistas e os responsáveis religiosos portugueses de um modo geral trataram os comentários de Saramago como importantes! Graças a eles, os meios de comunicação deram-lhe mais tempo na televisão e mais espaço nos jornais do que a outras questões muito mais importantes. E alguns representantes da Igreja Católica atacaram-no com uma ferocidade emocional que revela bem que consideram tais opiniões sobre o Antigo Testamento como um obstáculo à fé. Mais uma vez, tal como salientei mais atrás, os comentários de Saramago não são nem chocantes nem novos. E apenas representam um obstáculo à fé para quem não tenha a menor ideia do que é e do que pretendia ser o Antigo Testamento. As críticas de Saramago são unicamente banalidades superficiais, que revelam uma profunda ignorância da filosofia e da religião ocidentais e uma total incompreensão da linguagem poética e narrativa de desde há mais de três mil anos. Só quem ignora tal herança, jornalistas e responsáveis religiosos incluídos, poderia tornar o patético desabafo do romancista numa tal polémica. E, para mim, essa foi a parte mais desanimadora e mais perturbante de toda esta "inventada" notícia: descobrir que na sociedade onde vivemos, entre os seus membros mais ilustres e cultivados, possa prolongar-se tão lastimosa ignorância de uma parte importantíssima do legado civilizacional da filosofia e da cultura ocidentais.

6 Comentários:

Blogger LF disse...

Enfim,

Uma opinião superficial de um escritor medíocre, que não aceita que alguém pense de forma diferente dele.

O que interessa em Saramago é a sua qualidade literária, qualidade essa que Zimmler e muitos outros gostariam de ter mas não têm.

As suas opiniões, concorde-se ou não com elas, têm o mérito de levantar questões e estimular debates. É assim que as entendo.

Mas, reforço, o que mais importa são os livros. E a maioria dos que falam de Saramago pouco ou nada leram dele.

4:16 da tarde  
Blogger MacGuffin disse...

Se Zimler é um escritor medíocre, não sei. Se Saramago é um escritor excelente, ou muito bom, também não sei. Não li nenhum livro de ambos. Nem me interessa, para o caso. Foi Saramago que suscitou uma polémica fora da literatura, que nada tem que ver com qualidade ou estilo literários. Saramago quis falar de Deus, da religião e da Bíblia. Não percebo porque chamas à colação a qualidade literária do Zimler e do Saramago, ou o teu gosto por Saramago. Isso não interessa. Ponto final. Quando Saramago disse o que disse, não pode esperar que todos fiquem calados só porque foi ele que o disse ou só porque supostamente ele é um bom escritor. Saramago não tem autoridade nenhuma neste campo e em matéria de conhecimentos teológicos e da narrativa do Livro, Zimler é muito superior a Saramago. Saramago não levantou nenhum debate na medida em que se limitou a dizer umas baboseiras inconsequentes. Se eu disser "O livro O Capital é um manual para totalitarismos" estou a levantar algum debate sério? Não estou. Não é uma questão de concordar ou discordar de Saramago. É uma questão de Saramago ter posto as coisas num ponto apriorístico a qualquer discussão. Nem vale a pena saber se ele tem razão ou não porque o que foi dito, da forma como foi dito, só merece ser ignorado.

4:30 da tarde  
Blogger LF disse...

Eu não acho que ele tenha dito nada de especial, tendo em conta que há anos que todos sabemos tratar-se de um ateu.
Exprimiu uma opinião, e deixou atrás de si um rasto de polémica, mais pelas reacções indignadas do que propriamente pela declaração em si.
Se merece ser ignorado, porque tanta gente o critica e o condena ?

Eu sou católico, mas não me parece que a Bíblia, ou seja que obra for, possa estar acima de discussãO. E qualquer pessoa que a leia é livre de dar a sua opinião.

Saramago é provavelmente o maior escritor português deste século. Zimmler é um cretino que só graças ao lobby gay se tornou conhecido (tal como de resto o seu namorado, tido como um sumo-pontífice da ciência, quando é um académico igual a tantos outros).
Não há comparação possível. Mas, admito, não interessa para o caso.

4:44 da tarde  
Blogger LF disse...

Eu não acho que ele tenha dito nada de especial, tendo em conta que há anos que todos sabemos tratar-se de um ateu.
Exprimiu uma opinião, e deixou atrás de si um rasto de polémica, mais pelas reacções indignadas do que propriamente pela declaração em si.
Se merece ser ignorado, porque tanta gente o critica e o condena ?

Eu sou católico, mas não me parece que a Bíblia, ou seja que obra for, possa estar acima de discussãO. E qualquer pessoa que a leia é livre de dar a sua opinião.

Saramago é provavelmente o maior escritor português deste século. Zimmler é um cretino que só graças ao lobby gay se tornou conhecido (tal como de resto o seu namorado, tido como um sumo-pontífice da ciência, quando é um académico igual a tantos outros).
Não há comparação possível. Mas, admito, não interessa para o caso.

4:44 da tarde  
Anonymous jaa disse...

Saramago é provavelmente o maior escritor português deste século.

Este século ainda agora começou. ;)

10:34 da manhã  
Blogger LF disse...

Jaa,

Este "século" começou em 1910, e ainda não acabou.

Mas pode pôr "últimos cem anos"...

11:49 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.