O MacGuffin: Janeiro 2009

sábado, janeiro 31, 2009

Paris: como estacionar o carro

A forma errada (demasiado afastados):
afastados


A forma correcta:
melhor
socrates

sexta-feira, janeiro 30, 2009

O melhor sketch dos Contemporâneos

quinta-feira, janeiro 22, 2009

Está-me cá a parecer que a moção de Sócrates é assim um pouco para o eleitoralista

Theodore Dalrymple:
It would not, I think, be very difficult to prove that the great majority of our knowledge (or what the author of the New Ten Commandments [Dawkins] might call superstition) is knowledge by authority. Would we really wish to be like the young denizens of the British slums who reply, when asked to name a British Prime Minister other than the current one and Mrs. Thatcher (even those suffering from Alzheimer’s disease can remember Mrs. Thatcher), “I don’t know, I wasn’t born then”?

Would anyone suggest that medical students should recapitulate in their training the whole history of medicine and be required to demonstrate for themselves the truths of physiological science, which rest on an immense edifice of authority and sophisticated inference? Is it not one of the great glories of our civilization that a man of very moderate abilities may – perhaps must – know more than the greatest scientists and savants of the past? He sees further because he stand on the shoulders of giants, not because he has impertinently questioned everything they achieved. The average man in the streets believes in the existence of viruses, and is right to do so, though if asked to prove their existence would not be able to institute a single line of inquiry leading to such proof.

A commandment, even of the kind propagated by Professor Dawkins, is a commandment, not an invitation to disputation. And if the majority of our factual knowledge of particular subjects is founded on trust and authority – for it is given to no man, however brilliant, to live long enough to be infinitely inquisitive – what of the dicta of moral and aesthetic judgment? I shall quote only what hume said, for in my opinion he pointed to a difficulty that has not been satisfactorily overcome.

In every system of morality, which I have hitherto met with, I have always remark’d, that the author proceeds for some way of reasoning, and... makes observations concerning human affairs; when all of a sudden I an surpriz’d to find, that instead of the usual copulations of prepositions, ‘is’ and ‘is not’, I met with no proposition that is not connected with and ‘ought’ or an ‘ought not’.

In other words, no statement of value can be derived in logic form any statement of fact. There have been ingenious attempts to demonstrate that Hume was mistaken, for example, the purported demonstration by Professor Searle, the American philosopher of language and mind, who is undoubtedly one of the greatest living philosophers, that a promise entails by definition an obligation. But can it really be true that I ought to kill someone because, in a moment of madness, I promise to do so?

Even if it is not possible to derive a statement of value form a statement of fact, it is nonetheless necessary and unavoidable that we make statements of value. We cannot live in a Gradgrindian world of facts alone.


quarta-feira, janeiro 21, 2009

Arrumar a casa

To the Earth

"The Creator sat upon the throne, thinking. Behind him stretched the illimitable continent of heaven, steeped in a glory of light and color; before him rose the black night of Space, like a wall. His mighty bulk towered rugged and mountain-like into the zenith, and His divine head blazed there like a distant sun. At His feet stood three colossal figures, diminished to extinction, almost, by contrast -- archangels -- their heads level with His ankle-bone.

When the Creator had finished thinking, He said, "I have thought. Behold!"

He lifted His hand, and from it burst a fountain-spray of fire, a million stupendous suns, which clove the blackness and soared, away and away and away, diminishing in magnitude and intensity as they pierced the far frontiers of Space, until at last they were but as diamond nailheads sparkling under the domed vast roof of the universe.

At the end of an hour the Grand Council was dismissed.

They left the Presence impressed and thoughtful, and retired to a private place, where they might talk with freedom. None of the three seemed to want to begin, though all wanted somebody to do it. Each was burning to discuss the great event, but would prefer not to commit himself till he should know how the others regarded it. So there was some aimless and halting conversation about matters of no consequence, and this dragged tediously along, arriving nowhere, until at last the archangel Satan gathered his courage together -- of which he had a very good supply -- and broke ground. He said: "We know what we are here to talk about, my lords, and we may as well put pretense aside, and begin. If this is the opinion of the Council -- "

"It is, it is!" said Gabriel and Michael, gratefully interrupting.

"Very well, then, let us proceed. We have witnessed a wonderful thing; as to that, we are necessarily agreed. As to the value of it -- if it has any -- that is a matter which does not personally concern us. We can have as many opinions about it as we like, and that is our limit. We have no vote. I think Space was well enough, just as it was, and useful, too. Cold and dark -- a restful place, now and then, after a season of the overdelicate climate and trying splendors of heaven. But these are details of no considerable moment; the new feature, the immense feature, is -- what, gentlemen?"

"The invention and introduction of automatic, unsupervised, self-regulating law for the government of those myriads of whirling and racing suns and worlds!"

"That is it!" said Satan. "You perceive that it is a stupendous idea. Nothing approaching it has been evolved from the Master Intellect before. Law -- Automatic Law -- exact and unvarying Law -- requiring no watching, no correcting, no readjusting while the eternities endure! He said those countless vast bodies would plunge through the wastes of Space ages and ages, at unimaginable speed, around stupendous orbits, yet never collide, and never lengthen nor shorten their orbital periods by so much as the hundredth part of a second in two thousand years! That is the new miracle, and the greatest of all -- Automatic Law! And He gave it a name -- the LAW OF NATURE -- and said Natural Law is the LAW OF GOD -- interchangeable names for one and the same thing."

"Yes," said Michael, "and He said He would establish Natural Law -- the Law of God -- throughout His dominions, and its authority should be supreme and inviolable."

"Also," said Gabriel, "He said He would by and by create animals, and place them, likewise, under the authority of that Law."

"Yes," said Satan, "I heard Him, but did not understand. What is animals, Gabriel?"

"Ah, how should I know? How should any of us know? It is a new word."

[Interval of three centuries, celestial time -- the equivalent of a hundred million years, earthly time. Enter a Messenger-Angel.]

"My lords, He is making animals. Will it please you to come and see?"

They went, they saw, and were perplexed. Deeply perplexed -- and the Creator noticed it, and said, "Ask. I will answer."

"Divine One," said Satan, making obeisance, "what are they for?"

"They are an experiment in Morals and Conduct. Observe them, and be instructed."

There were thousands of them. They were full of activities. Busy, all busy -- mainly in persecuting each other. Satan remarked -- after examining one of them through a powerful microscope: "This large beast is killing weaker animals, Divine One."

"The tiger -- yes. The law of his nature is ferocity. The law of his nature is the Law of God. He cannot disobey it."

"Then in obeying it he commits no offense, Divine One?"

"No, he is blameless."

"This other creature, here, is timid, Divine One, and suffers death without resisting."

"The rabbit -- yes. He is without courage. It is the law of his nature -- the Law of God. He must obey it."

"Then he cannot honorably be required to go counter to his nature and resist, Divine One?"

"No. No creature can be honorably required to go counter to the law of his nature -- the Law of God."

After a long time and many questions, Satan said, "The spider kills the fly, and eats it; the bird kills the spider and eats it; the wildcat kills the goose; the -- well, they all kill each other. It is murder all along the line. Here are countless multitudes of creatures, and they all kill, kill, kill, they are all murderers. And they are not to blame, Divine One?"

"They are not to blame. It is the law of their nature. And always the law of nature is the Law of God. Now -- observe -- behold! A new creature -- and the masterpiece -- Man!"

Men, women, children, they came swarming in flocks, in droves, in millions.

"What shall you do with them, Divine One?"

"Put into each individual, in differing shades and degrees, all the various Moral Qualities, in mass, that have been distributed, a single distinguishing characteristic at a time, among the nonspeaking animal world -- courage, cowardice, ferocity, gentleness, fairness, justice, cunning, treachery, magnanimity, cruelty, malice, malignity, lust, mercy, pity, purity, selfishness, sweetness, honor, love, hate, baseness, nobility, loyalty, falsity, veracity, untruthfulness -- each human being shall have all of these in him, and they will constitute his nature. In some, there will be high and fine characteristics which will submerge the evil ones, and those will be called good men; in others the evil characteristics will have dominion, and those will be called bad men. Observe -- behold -- they vanish!"

"Whither are they gone, Divine One?"

"To the earth -- they and all their fellow animals. (...)"

Mark Twain in Letters From The Earth 1909

segunda-feira, janeiro 19, 2009

Eu sou um fino pois ando a ler o War & Peace na tradução do Anthony Briggs

Notas avulsas:

Prince Vasily. Tem dois filhos meio idiotas (Hippolyte e Anatole) e uma filha gira (Hélène).

Anna Pavlovan Scherer. Confidente da imperatriz Fyodorovna. Rainha das festas da alta sociedade de São Petersburgo. Acordou com o Prince Vasily que Anatole (um borguista de primeira apanha) deve casar com a filha do Príncipe Bolkonsky (forma benigna, não sanguinária, de Vasily se livrar do filho), irmã do Príncipe Andrey, que tem uma mulher lindíssima. O principal interesse do príncipe Andrey é ir para a guerra, para desgosto da sua mulher lindíssima. Cheira-me, entretanto, que as intenções de Hippolyte em relação à mulher lindissíma de Andrey não sejam as mais puras.

Pierre, bastardo (filho ilegítimo do Conde Bezukhov), educado no estrangeiro, reside em casa de Vasily. Entre outras façanhas (bebe que nem um urso), defendeu Bonaparte numa das festas da Scherer, para gáudio, discreto, do Viconte de Mortemart. Li, algures, que a mulher de Pierre é, por sua vez, muita dada ao bovarismo.

Princesa Anna Mikhaylovna Drubetskoy. Fez uso da nobre arte da cunha junto de Vasily para que este coloque Boris, seu filho, no exército. Anna Mikhaylovan é familiar dos Rostovs, família influente de São Petersburgo.

Ah, é verdade: a lindíssima mulher de Andrey, de seu nome Liza, está grávida. É pena.


Agora, deixem-me ir ler mais um pouco. Obrigado.

Um longo lamento

O Daniel Oliveira e a Clara Ferreira Alves (Eixo do Mal, SICN) pavonearam, pela enésima vez, a sua arrebatador sensibilidade e canonizada preocupação pelos civis palestinianos. Nunca, em tempo algum, os vi demonstrar igual indignação quando as vitimas foram, e são, israelitas. Só quem usa termos como «massacre» ou «chacina» sempre que Israel ataca é que tem coração e só atacando Israel e demonstrando compaixão pública pelos civis palestinianos se é elegível para figurar no panteão dos “Certos, Justos & Humanistas” liderado pelo Daniel O e pela Clara FA. Desta vez, aos maus da fita do costume (israelitas), juntaram-se os meios de comunicação social. Alegadamente, os meios de comunicação social (a Ocidente, presume-se) estão a esconder/desvalorizar/secundarizar/sonegar (riscar o que não interessa) o sofrimento palestiniano e a malignidade das intenções israelitas. O Henrique Cymerman é uma espécie de timoneiro de uma patifaria certamente orquestrada pelos... (vá lá, esta é fácil)... israelitas judeus sionistas.

O que o Daniel Oliveira e a Clara FA e os «amigos da Palestina» (como se tentar compreender Israel ou criticar o nojento comportamento do Hamas fosse próprio de «inimigos da Palestina») parecem estranhar, e não suportar (porque é uma causa idelogicamente opiácea que em caso de afrouxamento resulta em ressaca), é que talvez pela primeira vez na história deste conflito, houve gente (embora em incomensurável menor número que os contrários) interessada em compreender a posição de Israel e, simultaneamente, em chamar os bois pelos nomes: o Hamas não é uma organização pacifista exclusivamente interessada em construir creches, escolas e lares para velhinhos; o Hamas não representa a resistência armada dos desgraçadinhos; o Hamas tem um programa político e um desígnio militar; o Hamas está a ser apoiado pelo Irão; Israel não podia ficar de braços cruzados.

Os execráveis métodos do Hamas incluem a utilizações de civis (incluindo crianças) como escudos humanos, a utilização de escolas (as da ONU, sim) e mesquitas para lançar ataques contra território israelita, e a mais nefasta e pútrida propaganda contra os judeus (desde tenra idade que aos palestinianos é supostamente demonstrado, através de mentiras atrozes, o carácter luciferino, terrível e dominador dos judeus). Dialogar com o Hamas sobre o reconhecimento de Israel enquanto Estado e dos judeus enquanto povo irmão é mais ou menos o mesmo que tentar convencer os neo-nazis de que os «pretos» ou os «ciganos» são iguais a eles. Para o Hamas o Dia do Juízo Final só será alcançado no dia em que os muçulmanos matarem os judeus. Tudo isto se pode ler no «estatuto editorial» da organização onde, entre outras pérolas, se pode ler que a Revolução Francesa, a Revolução Russa, o colonialismo e as duas guerras mundiais foram orquestradas pelos sionistas, fazendo-se, mais à frente, referência ao livro-embuste fetiche dos anti-semitas: “Os Protocolos dos Sábios de Sião”.







É visível a existência de um canalhinha a habitar as mentes dos que condenam Israel esquecendo aprioristicamente estes factos e desvalorizando o cenário hostil onde Israel se encontra (excluo da discussão os casos mais nojentos de anti-semitismo que levam pessoas putativamente de boas famílias a comparar a intervenção das IDF ao Holocausto, porque aí estaremos na presença de débeis mentais, ignorantes encartados e canalhas catedráticos). Assim como seria canalhinha deixar de referir que a solução para o conflito israelo-palestiniano passa pelo desmantelamento dos colonatos e pela devolução de terra aos palestinianos por parte de Israel, no sentido da criação de um Estado soberano palestiniano, e pelo respeito pelo povo palestiniano enquanto povo irmão (e não como os judeus radicais ortodoxos os julgam: como gente inferior).

O que o Daniel O e a Clara FA não suportam é que, talvez pela primeira vez desde há muitos anos (ainda tenho presente a famosa passeata em Lisboa que reuniu gente como Freitas do Amaral contra o falso massacre de Jenin, entre outras manifestações também carinhosamente imparciais), alguém algures nos jornais e nas televisões está interessado em, por uma vez que seja, fugir à ladainha «Israel = agressor; palestinianos = anjinhos; Hamas = resistentes». Compreender Israel não significa que se seja insensível ao sofrimento da população civil de Gaza. Ninguém aqui dá lições de moral ou de humanismo a ninguém. O Daniel O e a Clara FA não são bons corações em contraponto aos corações pérfidos dos que entendem que Israel tem o direito de se defender e que vale a pena compreender o porquê daquela intervenção militar.

Falam de desproporção. Queriam o quê: que Israel comprasse rockets ao Hamas ou ao Irão para usar o mesmo tipo de armas que eles utilizam? Que por cada morte de um civil israelita, as IDF matassem um civil palestiniano e não olhassem para os guerrilheiros do Hamas? Que Israel nada fizesse e que se limitasse a rezar para que a pontaria dos rockets do Hamas continuasse fraca? Até quando?

É cansativo assistir à utilização de epítetos sórdidos e nojentos contra Israel, ou à velhinha e caricata equivalência entre «terrorismo de resistência» e «terrorismo de Estado». A partir do momento em que Israel é uma democracia e um Estado de Direito, sujeito ao escrutínio público e com um exército que se rege por regras tão básicas como as de não apontar a populações civis (e não me venham com os exemplos dos civis mortos porque qualquer guerra é tragicamente suja e não imune a erros por vezes tragicamente grosseiros) é impossível do ponto de vista moral enfiar no mesmo saco as acções militares israelitas e as acções dos terroristas do Hamas.

Não atender a tudo isto, não é só desleal e, a espaços, emocionalmente demagógico: é, acima de tudo, irracional. Por cada imagem de uma criança morta por um bombardeamento israelita, o meu coração aperta-se de forma quase indizível. Mas a minha raiva e revolta vai direitinha para o Hamas e respectivos simpatizantes. Afinal de contas os maiores inimigos do povo palestiniano.

domingo, janeiro 18, 2009

E eu a pensar

que era o único borra-botas enfatuado a deixar-me fotografar com livros em segundo plano ou a publicar imagens do meu triste quotidiano pontuadas por livros. O biltre também não resistiu à inebriante fragrância (tipo massa com peixe) da chibança.


Na foto, sagres petrificada sobre mesa com calhamaços mesmo ali ao lado

sábado, janeiro 17, 2009

O regresso do Homem

O Homem regressou. Need i say more?

quinta-feira, janeiro 15, 2009

Tradicional, diz ele

Num dossier do jornal Público sobre os casamentos muçulmanos, a palavra ao xeque:

Pode uma mulher casada com um muçulmano ser levada para outro país e ver-se privada dos seus direitos?
Se a mulher viajar para o país do marido "o que pode acontecer depende das famílias", explica o xeque. "Se forem mais conservadoras, ela poderá ter que seguir um estilo de vida mais tradicional".

Religiosamente incorrecto?

A propósito da fatídica frase do cardeal patriarca, Paula Serra (ex-jornalista, mestre e doutoranda na área da antropologia) fez, em directo na SIC Notícias, o que os comunistas fazem para contextualizar, justificar e desculpar a sua ideologia: a culpa é do «sistema político» e da «má» aplicação do «texto». Como se não houvesse uma matriz, uma doutrina e um modus operandi religioso do lado islâmico cuja rigidez, intolerância e intransigência, ainda e hoje, e com o beneplácito das cúpulas religiosas e teológicas que, essas sim, influenciam e condicionam os regimes políticos (precisamente o contrário do que a Mestre Paula Serra disse), contraria aquilo que, no Ocidente, comummente se denomina de «direitos e garantias» - coisas com as quais eu e a doutoranda Paula Serra nos damos particularmente bem (falo da liberdade política, religiosa, da igualdade entre sexos, do direito à educação e por aí fora). Só espero é que façam uso da mesma benevolência e «compreensão» em relação à igreja católica quando acintosamente a criticam por dá cá aquela palha, em assuntos bem mais benignos e inócuos. Se gostei da forma como o cardeal se referiu à religião muçulmana? Nem por isso. Se compreendi as suas palavras? Sim.

quarta-feira, janeiro 14, 2009

Inconstitucionalidades

Jorge Miranda in Público 14/01/2009

Ainda mais inconstitucionalidades no Estatuto dos Açores

1. A Lei n.º 2/2009, de 12 de Janeiro, veio aprovar aquilo a que chama a terceira revisão do Estatuto Político-Administrativo dos Açores, mas que, na realidade, corresponde, antes, a um estatuto novo, tais as mudanças significativas que contém - umas decorrentes da revisão constitucional de 2004, outras muito para além desta e com normas manifestamente inconstitucionais. Vou enunciá-las e justificar em termos muito sintéticos por que entendo ocorrerem tais inconstitucionalidades: não só aquelas para que o Presidente da República alertou o Parlamento mas ainda algumas mais, de não menor gravidade.


2. O art. 4.º, n.º 4, estabelece que a bandeira da região é hasteada nas instalações dependentes dos órgãos de soberania na região e dos órgãos de governo próprios ou de entidades por ele tuteladas, bem como nas autarquias locais dos Açores.
Esta norma, caso não sofra uma interpretação restritiva e venha a abranger as unidades militares sediadas nos Açores, viola os princípios da soberania e da unidade do Estado. As Forças Armadas apenas podem servir a Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República e da independência, unidade e integridade de Portugal (art. 11.º, n.º 1 da Constituição). Nem sequer em Estados federais, como os Estados Unidos ou o Brasil, alguém imaginou colocar as bandeiras estaduais ao lado da bandeira federal em instalações militares. Também contende com a Constituição impor a bandeira regional nos edifícios dos tribunais, que são órgãos de soberania.

3. O art. 7.º, n.º 1, alíneas i) e j), prevê a cooperação externa com entidades regionais estrangeiras.

Fala-se, porém, em política própria e não se acrescenta aquilo que consta da parte final do art. 227.º, n.º 1, alínea u) da Constituição: "de acordo com as orientações definidas pelos órgãos de soberania com competência em matéria de política externa". Somente integrando a norma estatutária com a norma constitucional se evitará a inconstitucionalidade.

4. O art. 7.º, n.º 1, alínea o), prevê a criação de provedores sectoriais regionais.
Esta norma viola o princípio da unicidade do provedor de Justiça, órgão do Estado (art. 23.º da Constituição). Nem este princípio tem impedido a existência nos Açores de uma delegação dos serviços da Provedoria.

5. O art. 63.º, n.º 2, alínea g), dá à Assembleia Legislativa Regional o poder de legislar sobre comunicação social, incluindo o regime financeiro.
Ora, esta matéria pertence ao domínio dos direitos, liberdades e garantias, domínio da reserva dos órgãos de soberania (art. 165.º, n.º 1, alínea b), insusceptível de qualquer autorização legislativa regional (art. 227.º, n.º 1, alínea b). Não foi respeitada a decisão do Tribunal Constitucional na fiscalização preventiva.

6. O art. 66.º atribui à Assembleia Legislativa Regional competência para legislar sobre matéria da ordem e segurança pública.

Só não será inconstitucional (por infracção do art. 164.º, alínea n) da Constituição) se não abranger as forças de segurança, cuja organização é única para todo o território nacional (art. 272.º, n.º 4).

7. O art. 144.º determina que os órgãos do governo regional sejam ouvidos pelo Presidente da República antes da dissolução da Assembleia Legislativa.
A inconstitucionalidade, como foi tantas vezes salientado ao longo de semanas, está na obrigação de o Presidente ouvir mais sujeitos constitucionais do que aqueles a que está vinculado pela Constituição: o Conselho de Estado e os partidos representados na Assembleia (art. 234.º, n.º 1). E em ter de ouvir mais sujeitos do que aqueles que tem de ouvir aquando da dissolução da Assembleia da República (art. 135.º, alínea l).

É certo que há uma norma geral de audição dos órgãos de governo regional pelos órgãos de soberania relativamente às questões da sua competência respeitantes às regiões autónomas (art. 225.º, n.º 2). Mas, como qualquer jurista sabe, a norma geral cede perante a norma especial (art. 234.º, n.º 1).

À incongruência acresce o absurdo de o Presidente ter de ouvir a própria Assembleia que encara dissolver... Seria como um professor ter de perguntar a um aluno, num exame, se concorda com a sua reprovação...

8. O art. 119.º regula uma "audição qualificada" dos órgãos do governo regional relativamente a determinadas iniciativas legislativas e regulamentares. Assim, no caso de o parecer destes órgãos ser desfavorável ou de não aceitação das alterações propostas pelo órgão de soberania em causa, constitui-se uma comissão bilateral, com número igual de representantes dos órgãos de soberania e dos órgãos de governo próprio, para formular uma proposta alternativa, no prazo de trinta dias, salvo acordo em contrário. Decorrido esse prazo, o órgão de soberania decide livremente.
Institui-se aqui, em conjugação com o art. 14.º, n.º 2, um procedimento e um conjunto de vinculações dos órgãos de soberania não previstos e, portanto, não consentidos pela Constituição.

9. Com a revisão constitucional de 2004 tinha-se pensado que as querelas à volta da autonomia político-administrativa regional tinham ficado ultrapassadas e que se entraria numa fase de regionalismo cooperativo. Infelizmente, não é isso que parece estar a acontecer.
O pior que poderia acontecer à estabilidade institucional da República em época tão difícil como aquela em que nos encontramos e à própria autonomia seria manter uma dialéctica constante de revisão constitucional e inconstitucionalidade: primeiro, alargar-se a autonomia por meio de uma lei de revisão; depois, contudo, forçar-se a mão aprovando uma lei ordinária com múltiplas inconstitucionalidades; a seguir, para obviar a estas, reclamar-se nova revisão; e assim sucessivamente.

segunda-feira, janeiro 12, 2009

And the award for best 2008 song goes to...

A melhor canção de 2008: Teimoso de Samuel Úria. Um manifesto geracional em registo bluesy (e em certa medida genealógico) com a invocação sapiente de Dylan, Young e C.ª. Muito, muito, muito bom.

sexta-feira, janeiro 09, 2009

Discos do ano 2008











quinta-feira, janeiro 08, 2009

Aubade

I work all day, and get half-drunk at night.
Waking at four to soundless dark, I stare.
In time the curtain-edges will grow light.
Till then I see what's really always there:
Unresting death, a whole day nearer now,
Making all thought impossible but how
And where and when I shall myself die.
Arid interrogation: yet the dread
Of dying, and being dead,
Flashes afresh to hold and horrify.

The mind blanks at the glare. Not in remorse
- The good not done, the love not given, time
Torn off unused - nor wretchedly because
An only life can take so long to climb
Clear of its wrong beginnings, and may never,
But at the total emptiness for ever,
The sure extiction that we travel to
And shall be lost in always. Not to be here,
Not to be anywhere,
And soon; nothing more terrible, nothing more true.

This is a special way of being afraid
No trick dispels. Religion used to try,
That vast moth-eaten musical brocade
Created to pretend we never die,
And specious stuff that says No rational being
Can fear a thing it will not feel, not seeing
That this is what we fear - no sight, no sound,
No touch or taste or smell, nothing to think with,
Nothing to love or link with,
The anaesthetic from which none come round.

And so it stays just on the edge of vision,
A small unfocused blur, a standing chill
That slows each impulse down to indecision.
Most things may never happen: this one will,
And realisation of it rages out
In furnace-fear when we are caught without
People or drink. Courage is not good:
It means not scaring others. Being brave
Lets no one off the grave.
Death is no different whined at than withstood.

Slowly light strengthens, and the room takes shape.
It stands plain as a wardrobe, what we know,
Have always known, know that we can't escape,
Yet can't accept. One side will have to go.
Meanwhile telephones crouch, getting ready to ring
In locked-up offives, and all the uncaring
Intricate rented world begins to rouse.
The sky is white as clay, with no sun.
Work has to be done.
Postmen like doctors go from house to house.

Philip Larkin
in Times Literary Supplement, 23 de Dezembro de 1977

É só estilos

Helena Matos in Público 08/01/2009

Livro de estilo para referir Israel

No dia em que escrevo, quarta-feira, confirma-se que mais uma vez uma cadeia de televisão europeia, a France 2, transmitiu imagens falsas numa reportagem que dedicou ao ataque israelita a Gaza. Crianças mortas e uma casa destruída ilustravam os efeitos dramáticos entre os civis palestinianos dos bombardeamentos efectuados pelo exército de Israel.

Poucas horas após a emissão da reportagem concluía-se que destas imagens apenas os cadáveres e o prédio destruído não foram ficcionados. Aquelas pessoas morreram, mas não morreram a 5 de Janeiro de 2009, como afirma o jornalista da France 2, mas sim a 23 de Setembro de 2005. Também não morreram na sequência de um ataque israelita mas sim no resultado da explosão acidental de um camião que transportava rockets do Hamas dentro do campo de refugiados de Jabalya. Defende-se a France 2 dizendo que foi enganada pela propaganda palestiniana. Nestas coisas da comunicação, os palestinianos têm de facto as costas demasiado largas, pois aquilo a que temos assistido nos últimos anos é à participação voluntária e entusiástica de vários órgãos de comunicação ocidental na diabolização de Israel, através da divulgação de imagens e notícias sem qualquer tipo de confirmação das fontes ou até mesmo com a promoção de imagens e notícias falsas. Foi assim com o relato da morte de Muhammad al-Durrah, o menino que, em Setembro de 2000, segundo uma reportagem da mesma France 2, teria sido baleado por soldados israelitas junto ao seu pai, acabando os dois assassinados. A imagem da criança tentando proteger-se sob o cadáver do pai emocionou o mundo e legitimou a segunda intifada. Infelizmente, os mesmos jornalistas que tão rapidamente espalharam esta imagem não se deram ao trabalho de divulgar as investigações que provavam a sua manipulação. Maior silêncio ainda caiu sobre os responsáveis pela morte da família de Huda Ghaliya, a menina que o mundo inteiro viu chorando sobre os cadáveres de toda a sua família, numa praia de Gaza, em 2006. Os jornais ocidentais, com a mesma diligência com que a promoveram o novo ícone palestiniano, também o esqueceram quando se soube que a sua família não morrera vítima de um ataque israelita mas sim de armas palestinianas. Os exemplos desta fábrica mediática de mártires para ocidente consumir levam-nos invariavelmente à constatação de que existe no ocidente uma espécie de "insurgentes de sofá". Tal como os treinadores de bancada raramente praticam qualquer desporto, também estes "insurgentes de sofá" jamais pegariam numa arma ou fariam um atentado. E não o fariam porque moralmente não seriam capazes e também porque este mundo ocidental do qual dizem tanto mal lhes tem proporcionado invejáveis padrões de vida. Israel torna-se assim no "lugar ideológico" que lhes permite acharem-se ideologicamente coerentes enquanto usufruem o que de melhor a democracia a que dantes chamavam burguesa tem para oferecer. Claro que há algumas décadas outros povos acompanhavam os palestinianos como objecto da sua solidariedade. Eram então os vietnamitas, os cambodjanos, o então designado "povo mártir da Coreia do Sul", os angolanos, os moçambicanos, os rodesianos... enfim todos aqueles povos cujos problemas pudessem ser de alguma forma imputáveis a países que alinhassem no chamado bloco ocidental. No preciso dia em que a culpa deixou de poder ser assacada a portugueses, norte-americanos, ingleses... esses povos deixaram de gerar piedade e desapareceram os activistas. Os massacres no Ruanda, a fome no Zimbabwe, as epidemias no Congo e a corrupção em Angola não só deixaram o paradigma das notícias que causam indignação como passaram a ser apresentados sob as vestes da fatalidade histórica. De igual modo, quando os palestinianos se matam entre si, por exemplo quando o Hamas chacinou os membros da Fatah, o facto é ignorado. Se Israel - ou seja, o país do nosso mundo - não é passível de ser responsabilizado então mal existem notícias e muito menos indignação. Donde também nunca ouvirmos falar da situação dos palestinianos no Líbano e no Egipto ou das medidas tomadas pela Jordânia para controlar os movimentos que os representam.

Estaria contudo a faltar à verdade caso se não reconhecesse que tem existido alguma evolução sobre Israel nos chamados defensores da causa palestiniana. Já admitem que o Estado de Israel vai continuar a existir mas não prescindem de uma espécie de livro de estilo para se lhe referir. Desse livro fazem parte alguns dogmas. A saber:

a) Entre os palestinianos só existem civis

Israel tem um exército e serviços secretos. Os palestinianos têm líderes espirituais ou de facção, activistas, militantes e figuras religiosas. O que de mais belicoso se concede ao seu estatuto é designá-los como combatentes. Mas nunca como militares. Não são apenas os membros do Hamas que cobardemente se misturam com a população, que usam as escolas, os hospitais, as mesquitas e as ambulâncias para fins militares. A linguagem usada por boa parte da imprensa ocidental transforma-os também em civis. Ou civis inocentes como é hábito dizer. Inversamente Israel tem militares. Ou seja, culpados, logo à partida.

b) Entre palestinianos, o estatuto de refugiado é eterno e transmissível

O que quer dizer exactamente a expressão "campo de refugiados palestinianos em Gaza"? Quer dizer que em território palestiniano, Gaza, existem palestinianos que saíram, há décadas, de localidades que fazem hoje parte de Israel (e também da Jordânia e do Egipto pois parte do território do Estado Palestiniano criado em 1948, ao mesmo tempo que o Estado de Israel, e recusado pelos países árabes, acabou por ser integrado naqueles dois países). Estes palestinianos mantêm-se com o estatuto de refugiados nos territórios palestianianos que eles mesmos administram. O que de mais equivalente com esta situação se pode conceber seria os retornados portugueses terem sido mantidos em campos, em alguns casos com direitos diferentes dos outros cidadãos da então metrópole, e ainda hoje eles, os seus filhos, netos, bisnetos e demais descendência serem todos considerados refugiados e Portugal continuar a exigir o direito do seu regresso às localidades donde fugiram nos anos 70.

Esta condição de refugiado crónico condenou os palestinianos à exclusão que nenhum país democrático aceita para os seus cidadãos. Por isso os retornados são hoje simplesmente portugueses tal como milhares de judeus que após a criação do Estado de Israel tiveram de fugir dos países árabes como Marrocos, Egipto, Iraque, Líbia, Síria, Argélia, Tunísia e Iemen são simplesmente israelitas.

c) Toda e qualquer iniciativa de defesa levada a cabo por Israel está condenada ao fracasso. Se triunfa é porque é desproporcionada

Se de todo em todo se admite que Israel poderá reagir, logo se avisa que a estratégia escolhida está errada. (A propósito, qual é o balanço do tão vilipendiado muro?) Como, apesar de tanta opinião em contrário, Israel sobreviveu e mantém uma vitalidade política invejável, então temos o problema da desproporção da resposta. A não ser para aqueles que desejam o desaparecimento de Israel, dificilmente se entrevê um cenário mais terrível do que aquele que resultaria caso a situação fosse inversa - o Hamas ou a Fatah terem mais capacidade militar do que o exército israelita - ou terem forças equivalentes. A óbvia superioridade militar de Israel impede uma escalada da violência para níveis certamente inimagináveis.

d) As informações do médico norueguês, do padre católico e da activista da ONG são absolutamente verdadeiras

Estas fontes emudecem quando os ataques ocorrem entre os palestinianos e são possuídas por uma apreciável verborreia quando Israel intervém. Mas o seu papel mais grave nem é tanto o que de falso por vezes dizem mas sobretudo o facto de pouparem os líderes palestinianos a prestarem declarações. O discurso destes últimos, sobretudo se forem os integristas do Hamas com as suas promessas de extermínio de Israel e muita retórica do martírio religioso, gera anticorpos nas sociedades ocidentais. O médico norueguês, o padre católico e a activista da ONG não só são ocidentais como falam como ocidentais para ocidentais. De cada vez que eles falam, Israel torna-se no responsável por tudo o que acontece. Quando fala o Hamas, Israel ganha senão simpatia pelo menos compreensão.

terça-feira, janeiro 06, 2009

Ao cuidado da Alexandra Lucas Coelho

bandeira_israel

sábado, janeiro 03, 2009

A escolha acertada

É uma Cannondale (o que só por si diz quase tudo), chama-se Vintage 8, pode ser comprada na Without Stress (nunca lá fui mas é loja que consta do site da marca e fica em local hype, ao contrário da loja onde comprei em tempos a minha Prophet) e o maradona gostava de ter uma. Estão à espera do quê?

vintage8

De repente, ocorreu-me isto

idf

É já a seguir

Aos meus leitores (se tenho dois) ou ao meu leitor (se tenho um), informo que dentro de algumas horas (quantas não sei) tratarei aqui de arrumar o ano de 2008, com o resumo da praxe, os melhores do ano e tudo o que se pode esperar de um blogger profissional. Vou aproveitar, também, para remodelar/actualizar a lista de blogues aqui ao lado.

Para já, vou ali ao IKEA comprar umas molduras. Obrigado.
Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.