O MacGuffin: Outubro 2007

terça-feira, outubro 30, 2007

Amanhã, quarta-feira

À venda nas melhores bancas do país.

Capa 32

Etiquetas:

domingo, outubro 28, 2007

Jogos Olímpicos 2008

china
china2
china3
china4

Etiquetas: , ,

quinta-feira, outubro 25, 2007

Your eyes are (really) blue

And I'm keeping you right here.


Etiquetas:

A boat can go lost



Bye Bye Pride

A white moon appears
Like a hole in the sky,
The mangroves go quiet.
In la Brisa de la Palma
A teenage Rasputin
Takes the sting from a gin,
"When a woman learns to walk
She's not dependent anymore"
A line front her letter May 24
And out on the bay
The current is strong
A boat can go lost.
But I didn't know someone
Could be so lonesome
Didn't know a heart
Could be tied up
And held for ransom.
Until you take your shoes
And go outside, stride over stride.
Walk to that tide because
The door is open wide.

Turned the fan off
And went for a walk
By the lights down on Shield Street.
The birds in the trees
Open their wings ...
He goes home again.
He dreams resistance,
They talk commitment,
Things change over long distance.
Took the shirt off his back
The eyes from his head
And left him for dead.
But I didn't know someone
Could be so lonesome
Didn't know a heart
Could be tied up
And held for ransom.
Until you take your shoes
And go outside, stride over stride,
Walk to that tide because
The door is open wide.

Little lies, they'll take your pride.
Until you take your shoes
And go outside. stride over stride,
Walk to that tide because
The door is open wide.
Stride over stride
Walk to that tide.
Bye, Bye Pride.
Because the door is open wide.
The door is always open wide.
The door is always open wide.

Etiquetas:

terça-feira, outubro 23, 2007

Nada que o Rothko não tenha já pintado

rothko

Etiquetas:

segunda-feira, outubro 22, 2007

As saudades que eu tenho disto



PS: desta lembra-se de certeza.

Etiquetas: , ,

As saudades que eu tenho disto



PS: este bom rapaz deve também lembrar-se.

Etiquetas: , ,

domingo, outubro 21, 2007

VPV sobre MST

Um novo génio
por Vasco Pulido Valente
in Público 21.10.2007
"Há uns tempos, Miguel Sousa Tavares escreveu um romance chamado Equador. Era "um romance de aeroporto" implausível e pueril, que seguia a receita do género: um lugar exótico, longas descrições de paisagens, muito sexo e muita atenção à cozinha e à roupa. Até dois terços, não se lia mal, como se lêem os livros deste género: sem esforço, com meia atenção, para descansar. No meu caso, li a coisa no hospital, numa altura em que não tinha cabeça para mais nada. Hoje só me lembro, e vagamente, do herói: uma espécie de super-Miguel, um pouco ridículo, com o seu arzinho aristocrático e a sua obrigatória consciência de esquerda. A certa altura, o Equador desapareceu (por falta de espaço) na limpeza de uma estante qualquer e não tornei a pensar no assunto.

Nunca me ocorreu que Miguel Sousa Tavares se tomasse por um escritor. Afinal muita gente, sobretudo em Inglaterra e na América, vive de produzir prosa para consumo de massa, que ninguém confunde com literatura. É uma maneira como outra de ganhar a vida. Honesta, ainda por cima. Mas Miguel Sousa Tavares parece que não se considera light e pretende que o levem a sério. Só isso explica que volte agora a meia dúzia de comentários sobre o Equador (não especialmente lisonjeiros) que publiquei há anos numa carta a este jornal. Para explicar essa minha absurda aberração, Miguel Sousa Tavares revelou ontem ao Expresso que eu, quando o critiquei, não tinha lido o livro e que depois, quando de facto o li, o achei óptimo. Quem lhe contou foi um amigo anónimo, presumivelmente tão analfabeto como ele; e em que ele, claro, piamente acredita.

Fora a acusação de fraude (que me incomoda), Miguel Sousa Tavares trata com condescendência o meu putativo pessimismo e lamenta que o meu conhecimento do mundo não vá muito além de Oxford e do Gambrinus (para quem não saiba, um restaurante de Lisboa). Esta estupidez não é inocente, é profiláctica. Serve para me desqualificar, se por acaso eu disser o que penso (e não disser bem) sobre o Rio das Flores, um segundo romance que já saiu ou vai sair daqui a poucos dias. Mesmo vendendo como vende, Miguel Sousa Tavares não consegue suportar que diminuam o que ele julga ser o seu imenso brilho. A mim, não me aflige que ele se apresente como um génio literário. Desde que não ande por aí a espalhar mentiras."

Etiquetas:

Disco porreiro, pá

É o que se chama um disco "porreiro, pá".

Koop

Etiquetas:

Faltam 17 dias


Etiquetas:

Mike Lester

Nobel

Etiquetas:

Shut the fuck up donny!

Gosto de blogues. Gosto de programas televisivos onde se opina sobre tudo e mais alguma coisa. Gosto de colunas de opinião nos jornais, incluindo aquelas de que discordo visceralmente. Gosto de observar os tiques e maneirismos da malta da opinião. Gosto de analisar, com o tempo, a historiografia facial do senhor professor universitário, do senhor deputado, do senhor general, do senhor presidente, do senhor escritor. Gosto dos fóruns radiofónicos, onde o direito à indignação é festival de ulcerações por via biliar. Sim, há gente a mais a opinar. Há excesso de assuntos. Fala-se muito alto de tudo e por nada. Sei do que estou a falar. Faço parte da matilha. Conheço os meus excessos como ninguém. A vaidade e a presunção são-me familiares. Pratico-as regularmente. E reconheço-as nos outros, embora muitos acreditem que estão vacinados contra tais delirios.

Entendam-me: tudo isto está bem. A democratização do acesso à opinião publicada e falada só poderá aborrecer os donos das coutadas e os respectivos caseiros. O problema, claro, é outro. O problema nasce no momento em que ao endurecimento vocal se junta a seriedade formal, a objectividade confessada, a presunção fanática, o gesto teatral. Há gente que se leva demasiado a sério. Demasiadas vezes. É um espectáculo triste na forma e patético no conteúdo. Há gente para quem a auto-ironia e o sentido de humor são uma galáxia distante. E é vê-los, por aí, seríssimos, a jurar que sabem tudo, sentem tudo, perscrutam tudo e todos.


Etiquetas: , ,

sábado, outubro 20, 2007

Está bem abelha

Há lá coisa mais deprimente do que observar um frente a frente entre João Soares (9.78 points) e Manuel Monteiro (9.9 points) sobre Luis Filipe Menezes (8.9 points)? Depois ainda vem o Mário Crespo com o paleio da «excelência de conteúdos»…

Etiquetas: ,

sexta-feira, outubro 19, 2007

Quero um link no prazo máximo de 8 dias úteis

O Gattopardo já faz parte dos «muito cá de casa». A nova casa dos Pedros.

Etiquetas:

quinta-feira, outubro 11, 2007

Sócrates diz

Sócrates diz que "tudo fará" para que os "funcionários públicos" não percam poder de compra. Já os outros é o que Deus quiser.

Etiquetas:

O Mugabe já estremece

Durão Barroso avisa (e garante): “vou confrontar Mugabe com as violações dos direitos humanos no Zimbabwe”. Temos homem.

Etiquetas: ,

É só para tostas


Etiquetas:

Ide comprar


Micah P. Hinson and the Opera Circuit


The National Boxer


International Pony Mit Dir Sind Wir Vier

Etiquetas:

quarta-feira, outubro 10, 2007

Mas vocês julgam o quê, hã?

O Prof. Doutor José Alberto de Azeredo Lopes, presidente da Direcção Executiva da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), não vai, para já (ufa…), envolver a ERC no conflito entre a Administração da RTP e José Rodrigues dos Santos. Segundo o Prof. Doutor José Alberto de Azeredo Lopes, existem condições para que o conflito seja dirimido internamente. Mas, desde logo, avisa(!): se surgirem outros elementos que venham a enquadra-se na esfera do órgão regulador, "a ERC actuará", garante Azeredo Lopes. "Já o mostrei noutras ocasiões, sem qualquer receio." Mai nada. Temos homem.

Etiquetas: , ,

sábado, outubro 06, 2007

A comunidade internacional?

Faltam 32 dias.


Etiquetas:

sexta-feira, outubro 05, 2007

O common good?

Faltam 33 dias.


Etiquetas:

segunda-feira, outubro 01, 2007

Vai ser uma meneza

Jovem amigo questiona-me sobre a eventualidade do meu suposto asco a Luís Filipe Menezes ser da mesma natureza do de Carlos de Abreu Amorim em relação a Paulo Portas (com ou sem «bando»). Esclareço-lhe que não. A raiva e o rancor não habitam em mim. Não tenho asco nenhum a Luís Filipe Menezes. Como não tinha em relação a Marques Mendes. Acho, apenas, que Luís Filipe Menezes não tem «estatura» (foi esse o termo que este usou em relação a Marques Mendes, lembram-se?) para primeiro-ministro. Não estão em causa as qualidade pessoais do agora líder do PSD. A reserva vai inteirinha para as qualidades políticas. Acho que, sim senhor, Luís Filipe Menezes se movimentará melhor que Marques Mendes. Ou, para usar um termo nacional-pimba, terá mais «sangue na guelra». Sócrates não vai dormir tão descansado (embore permaneça descansado). Também não era preciso muito, diga-se. Mas entre o amorfismo quase telúrico de Mendes e o banzé nervoso e popular de Menezes que por aí se anuncia, vou esperar por dias mais sérios e ponderosos. Lá para 2010, I presume.

Etiquetas: ,

A palavra ao Chico Louçã, pá

Francisco Louçã, em entrevista ao semanário Sol:

”[U]ma política de transformação da agricultura do Alentejo, através do Alqueva, não é compatível com o latifúndio. É importante avançar com uma reestruturação fundiária, que fixe um limite para as dimensões das propriedades com culturas de regadio e promova a agricultura familiar e cooperativa”

A tralha ideológica que este homem carrega mete dó. Alguém que lhe pague uma visita à Andaluzia para ele perceber o que é a «agricultura familiar e cooperativa».

Etiquetas: ,

Uma capa histórica

E linda.

Che
Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.