O MacGuffin: Maio 2006

segunda-feira, maio 22, 2006

Inútil Paisagem

Mas p’ra quê
P’ra quê tanto céu
P’ra quê tanto mar, p’ra quê

De que serve a onda que quebra
E o vento da tarde
De que serve a tarde
Inútil paisagem

Pode ser que não venhas mais
Que não venhas nunca mais
De que servem as flores
Que nascem pelos caminhos
Se o meu caminho sozinho é nada.

António Carlos Jobim

sábado, maio 20, 2006

You Go To My Head

Words & Music by Haven Gillespie & J. Fred Coots

You go to my head,
And you linger like a haunting refrain
And I find you spinning round in my brain
Like the bubbles in a glass of champagne.

You go to my head
Like a sip of sparkling burgundy brew
And I find the very mention of you
Like the kicker in a julep or two.

The thrill of the thought
That you might give a thought
To my plea casts a spell over me
Still I say to myself: get a hold of yourself
Can't you see that it can never be?

You go to my head
With smile that makes my temperature rise
Like a summer with a thousand Julys
You intoxicate my soul with your eyes
Tho I'm certain that this heart of mine
Hasn't a ghost of a chance in this crazy romance,
You go to my head.

terça-feira, maio 09, 2006

Escolhe



"How come no-one told me
All throughout history
The loneliest people
Were the ones who always spoke the truth
The ones who made a difference
By withstanding the indifference
I guess it's up to me now
Should I take that risk or just smile?"






"June July and August said
"It's probably hard to plan ahead" "

Como é que é?

E a gripe das aves? Como é que é?

segunda-feira, maio 08, 2006

I Just Get Caught Out



Grant McLennan (1958-2006)

domingo, maio 07, 2006

Pá, Jorge, obrigadinho por avisares a malta

João Pedro George publicou um livro onde pretende revelar, acompanhado de prova cientifica, um facto brutal: apesar de (ou será "por"?) vender que nem papo-secos, Margarida Rebelo Pinto não passa de uma escritora «sofrível» (eufemismo para «merdosa»).

Num misto de heroísmo, serviço público e soberba, João George demonstra aos aparvalhados e/ou incautos que a boa da Guidinha: a) se plagia a ela própria; b) prega valentes calinadas na gramática; c) usa e abusa da repetição (a mesma palavra aqui, acolá e acoli); d) utiliza amiúde expressões foleiras.

Um dos mais sérios candidatos a uma medalha no 10 de Junho.

I remember at Michael's house

In the living room, when you kissed my neck
And I almost touched your blouse.


Correio dos leitores (outro!?)

A propósito de um comentário de moi même a uma missiva de uma leitora (aqui), o Sr. Óscar Pereira manda-me arrepiar caminho e voltar ao «antigamente»:
”Não me importo quase nada com o que os mandriões fazem lá na assembleia da republica, estejam eles lá sentados ou na praia - apesar de se servirem do meu, do seu, do da Rosa Maria e do resto de todos (ou quase) todos portugueses. Talvez porque não é desses que vivem à nossa custa mais falta faz. Portanto veja lá se arrepia caminho e nos volta a habituar tão bem como "antigamente".

Senhor Óscar: eu não estou aqui para habituar quem quer que seja ao que quer que seja. Esta é uma casa carregadinha de incongruências, contradições, bujardas e idiotias de vária ordem. Para que não volte a iludir-se com quem não merece um pingo de confiança, insisto no horror: não podem os senhores deputados faltar porquê? Partindo do princípio de que naquela casa, ou, se quiser, naquela chafarrica (está melhor assim?) há regras – e que uma falta injustificada implica o respectivo correctivo, seja ele sob a forma de coima, desconto remuneratório ou sevicias genitais – só temos que esperar que cada um assuma a sua responsabilidade. Afinal de contas, estamos a falar de gente adulta. E de carne e osso. Tal como eu e o meu prezado ex-leitor Óscar Pereira.

sexta-feira, maio 05, 2006

Não é bem essa a questão

José Carlos Vasconcelos aliviou-se da seguinte «perplexidade»:
"Como é possível ser o mais desigual da Europa um país que teve o 25 de Abril e só foi governado por sociais-democratas e socialistas?”

A pergunta está ligeiramente mal formulada. Agora sim, correctamente:

Como seria possível não ser o mais desigual da Europa um país que teve o 25 de Abril e só foi governado por sociais-democratas socialistas e socialistas-marxistas?

In my solitude

Body & Soul

You’re making me blue
All that you do
Seems unfair
You try not to hear
Turn a deaf ear
To my prayer
It seems you don’t want to see
What you are doingg to me
My arms are waiting to caress you
And to my heart they long to press you, sweet heart

My heart is sad and lonely
For you I cry
For you, dear, only
I tell you I mean it
I’m all for you
Body and soul

I spend my days in longing
And wondering it’s me you’re wronging
Why haven’t you seen it
I’m all for you
Body and soul

I can’t believe it
It hard to conceive it
That you’d turn away romance
Are you pretending
Don’t say it’s the ending
I wish I could have one more change to prove, dear
My life a hell your’e making
You know I’m yours for just the taking
I’d gladly surrender
Myself to you
Body and soul

Life’s dreary for me
Day’s seem to be long as years
I’ve looked for the sun
But can see none
Through my tears
Your heart must be like a stone
To leave me like this alone
When you could make my life worth living
By taking what I’m set on giving, sweet heart

My heart is sad and lonely
For you I cry
For you, dear, only
I tell you I mean it
I’m all for you
Body and soul



Powered by Blogger Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado sob uma Licença Creative Commons.